3deko.info

Olá, meu nome é Pablo e criei este blog para ajudar os estudantes portugueses a estudar. Carrego milhares de arquivos úteis toda semana

BAIXAR LIVRO OBRA COMPLETA MURILO RUBIAO


Sucesso de vendas na década de , Murilo Rubião se aventurou no universo do fantástico mesmo sem conhecer Franz Kafka e antes de o gênero ficar em. PDF] SUMÁRIO Vida e obra de Murilo Rubião O pirotécnico Zacarias O Seu avô, Francisco Alves de Barros Rubião, escreveu um livro de. (câmara brasileira do livro, sp, brasil) rubião, murilo murilo rubião — obra completa. são paulo: companhia das letras, isbn 1. contos.

Nome: livro obra completa murilo rubiao
Formato:ZIP-Arquivar (Livro)
Sistemas operacionais: MacOS. Android. iOS. Windows XP/7/10.
Licença:Grátis (* Para uso pessoal)
Tamanho do arquivo:20.73 Megabytes

Lanou-se pela escadaria abaixo, empurrado por uma alegria desvairada. O mito de Sísifo. Curtir isso: Curtir Carregando Tal no aconteceu comigo. Ela vir ao cabo do octingentsimo pavimento. Ante a resposta negativa, ele se abraou aos companheiros: Daqui para frente nenhum obstculo interromper nossos planos! Livro das mil e uma noites Volume 1. Ao acordar, percebi que uma coisa se transformara nos meus braos. S no contava com o recado: O doutor Pink manda lembrar-lhe a entrevista de hoje. Enlarge cover. Ashley Black. Quase sempre, ao tirar o leno para assoar o nariz, provocava o assombro dos que estavam prximos, sacando um lenol do bolso. Luiz Ruffato.

PDF] SUMÁRIO Vida e obra de Murilo Rubião O pirotécnico Zacarias O Seu avô, Francisco Alves de Barros Rubião, escreveu um livro de. (câmara brasileira do livro, sp, brasil) rubião, murilo murilo rubião — obra completa. são paulo: companhia das letras, isbn 1. contos. Compre o eBook Murilo Rubião - Obra completa, de Murilo Rubião, na loja eBooks Kindle. Encontre ofertas, os livros mais vendidos e dicas de leitura na Amazon gosta de literatura fantástica, os contos são profundos e prazerosos de ler. Murilo Rubiao - Obra Completa - Murilo 3deko.info conteúdo Sobre nós: O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteú Download. Murilo Rubião – Obra completa eBook Kindle por Murilo Rubião Link: https://goo. gl/ Conheça meus Contos e Livros (Download Gratuito!).

Cultura de Escape. Prosas e Café Deguste primazia. Assuntos de um tudo para poucos. Panela De Ensaio. Gean Zanelato Escreve sobre cotidiano e comportamento. Conversando sobre Livros Falando de livros para outros leitores. Deviante A casa do Scicast! Maravilha Albertô! Um Podcast Maravilhoso! Marca Livro A arte de criar histórias em prosa ou verso.

Dan de Paula Onde meus sonhos viram contos. Recipe Blog Page. Diego Urcioulli. Wellytania Thaís Blog da escritora. Nana Carvalho Romancista. At aquele instante eu agira com habilidade, evitando contribuir para exacerbar os nimos.

E se, nesse momento, faltou-me a calma, o respeito devido ao bom proco, devo culpar a insensatez reinante. Irritadssimo, expandi o meu desagrado: So drages! No precisam de nomes nem do batismo! Perplexo com a minha atitude, nunca discrepante das decises aceitas pela coletividade, o reverendo deu largas humildade e abriu mo do batismo. Retribu o gesto, resignando-me exigncia de nomes. Quando, subtrados ao abandono em que se encontravam, me foram entregues para serem educados, compreendi a extenso da minha responsabilidade.

Dois sobreviveram, infelizmente os mais corrompidos. Mais bem-dotados em astcia que os irmos, fugiam, noite, do casaro e iam se embriagar no botequim.

O dono do bar se divertia vendo-os bbados, nada cobrava pela bebida que lhes oferecia. A cena, com o decorrer dos meses, perdeu a graa e o botequineiro passou a negar-lhes lcool. Para satisfazerem o vcio, viram-se forados a recorrer a pequenos furtos. No entanto eu acreditava na possibilidade de reeduc-los e superar a descrena de todos quanto ao sucesso da minha misso.

Valia-me da amizade com o delegado para retir-los da cadeia, onde eram recolhidos por motivos sempre repetidos: roubo, embriaguez, desordem. Como jamais tivesse ensinado drages, consumia a maior parte do tempo indagando pelo passado deles, famlia e mtodos pedaggicos seguidos em sua terra natal. Reduzido material colhi dos sucessivos interrogatrios a que os submetia. Por terem vindo jovens para a nossa cidade, lembravam-se confusamente de tudo, inclusive da morte da me, que cara num precipcio, logo aps a escalada da primeira montanha.

Para dificultar a minha tarefa, ajuntava-se debilidade da memria dos meus pupilos o seu constante mau humor, proveniente das noites maldormidas e ressacas alcolicas. O exerccio continuado do magistrio e a ausncia de filhos contriburam para que eu lhes dispensasse uma assistncia paternal.

Do mesmo modo, certa candura que flua dos seus olhos obrigava-me a relevar faltas que no perdoaria a outros discpulos. Odorico, o mais velho dos drages, trouxe-me as maiores contrariedades.

Desastradamente simptico e malicioso, alvoroava-se todo presena de saias. Por causa delas, e principalmente por uma vagabundagem inata, fugia s aulas. As mulheres achavam-no engraado e houve uma que, apaixonada, largou o esposo para viver com ele.

Tudo fiz para destruir a ligao pecaminosa e no logrei separ-los. Enfrentavam-me com uma resistncia surda, impenetrvel. As minhas palavras perdiam o sentido no caminho: Odorico sorria para Raquel e esta, tranquilizada, debruava-se novamente sobre a roupa que lavava.

Pouco tempo depois, ela foi encontrada chorando perto do corpo do amante. Atriburam sua morte a tiro fortuito, provavelmente de um caador de m pontaria. O olhar do marido desmentia a verso. Com o desaparecimento de Odorico, eu e minha mulher transferimos o nosso carinho para o ltimo dos drages. Empenhamo-nos na sua recuperao e conseguimos, com algum esforo, afast-lo da bebida.

Nenhum filho talvez compensasse tanto o que conseguimos com amorosa persistncia. Ameno no trato, Joo aplicava-se aos estudos, ajudava Joana nos arranjos domsticos, transportava as compras feitas no mercado. Findo o jantar, ficvamos no alpendre a observar sua alegria, brincando com os meninos da vizinhana. Carregava-os nas costas, dava cambalhotas. Regressando, uma noite, da reunio mensal com os pais dos alunos, encontrei minha mulher preocupada: Joo acabara de vomitar fogo.

Tambm apreensivo, compreendi que ele atingira a maioridade. O fato, longe de torn-lo temido, fez crescer a simpatia que gozava entre as moas e rapazes do lugar. S que, agora, demorava-se pouco em casa. Vivia rodeado por grupos alegres, a reclamarem que lanasse fogo. A admirao de uns, os presentes e convites de outros, acendiam-lhe a vaidade. Nenhuma festa alcanava xito sem a sua presena. Mesmo o padre no dispensava o seu comparecimento s barraquinhas do padroeiro da cidade.

Trs meses antes das grandes enchentes que assolaram o municpio, um circo de cavalinhos movimentou o povoado, nos deslumbrou com audazes acrobatas, engraadssimos palhaos, lees amestrados e um homem que engolia brasas. Numa das derradeiras exibies do ilusionista, alguns jovens interromperam o espetculo aos gritos e palmas ritmadas: Temos coisa melhor!

Temos coisa melhor! Julgando ser brincadeira dos moos, o anunciador aceitou o desafio: Que venha essa coisa melhor! Sob o desapontamento do pessoal da companhia e os aplausos dos espectadores, Joo desceu ao picadeiro e realizou sua costumeira proeza de vomitar fogo. J no dia seguinte, recebia vrias propostas para trabalhar no circo. Recusou-as, pois dificilmente algo substituiria o prestgio que desfrutava na localidade. Alimentava ainda a pretenso de se eleger prefeito municipal. Isso no se deu.

Alguns dias aps a partida dos saltimbancos, verificou-se a fuga de Joo. Vrias e imaginosas verses deram ao seu desaparecimento. Contavam que ele se tomara de amores por uma das trapezistas, especialmente destacada para seduzi-lo; que se iniciara em jogos de cartas e retomara o vcio da bebida. Seja qual for a razo, depois disso muitos drages tm passado pelas nossas estradas. E por mais que eu e meus alunos, postados na entrada da cidade, insistamos que permaneam entre ns, nenhuma resposta recebemos.

Formando longas filas, encaminham-se para outros lugares, indiferentes aos nossos apelos. Trs coisas me so difceis de entender, e uma quarta eu a ignoro completamente: o caminho da guia no ar, o caminho da cobra sobre a pedra, o caminho da nau no meio do mar, e o caminho do homem na sua mocidade.

Provrbios, XXX, 18 e Moo, me d um cigarro? A voz era sumida; quase um sussurro. Permaneci na mesma posio em que me encontrava, frente ao mar, absorvido com ridculas lembranas.

O importuno pedinte insistia: Moo, oh! Ainda com os olhos fixos na praia, resmunguei: V embora, moleque, seno chamo a polcia. Est bem, moo. No se zangue. E, por favor, saia da minha frente, que eu tambm gosto de ver o mar. Exasperou-me a insolncia de quem assim me tratava e virei-me, disposto a escorra-lo com um pontap. Fui desarmado, entretanto.

Diante de mim estava um coelhinho cinzento, a me interpelar delicadamente: Voc no d porque no tem, no , moo? O seu jeito polido de dizer as coisas comoveu-me. Dei-lhe o cigarro e afastei-me para o lado, a fim de que melhor ele visse o oceano. No fez nenhum gesto de agradecimento, mas j ento conversvamos como velhos amigos.

Ou, para ser mais exato, somente o coelhinho falava. Contava-me acontecimentos extraordinrios, aventuras tamanhas que o supus com mais idade do que realmente aparentava. Ao fim da tarde, indaguei onde ele morava. Disse no ter morada certa. A rua era o seu pouso habitual. Foi nesse momento que reparei nos seus olhos. Olhos mansos e tristes. Deles me apiedei e convidei-o a residir comigo. A casa era grande e morava sozinho acrescentei. A explicao no o convenceu. Exigiu-me que revelasse minhas reais intenes: Por acaso, o senhor gosta de carne de coelho?

No esperou pela resposta: Se gosta, pode procurar outro, porque a versatilidade o meu fraco. Dizendo isso, transformou-se numa girafa.

Resumo - Obra completa - Recentes

No lhe importar a companhia de algum to instvel? Respondi-lhe que no e fomos morar juntos. Chamava-se Teleco. Gostava de ser gentil com crianas e velhos, divertindo-os com hbeis malabarismos ou prestando-lhes ajuda. O mesmo cavalo que, pela manh, galopava com a gurizada, tardinha, em lento caminhar, conduzia ancios ou invlidos s suas casas.

MURILO OBRA COMPLETA RUBIAO LIVRO BAIXAR

No simpatizava com alguns vizinhos, entre eles o agiota e suas irms, aos quais costumava aparecer sob a pele de leo ou tigre. Assustava-os mais para nos divertir que por maldade. As vtimas assim no entendiam e se queixavam polcia, que perdia o tempo ouvindo as denncias. Jamais encontraram em nossa residncia, vasculhada de cima a baixo, outro animal alm do coelhinho.

Os investigadores irritavam-se com os queixosos e ameaavam prend-los. Apenas uma vez tive medo de que as travessuras do meu irrequieto companheiro nos valessem srias complicaes. Estava recebendo uma das costumeiras visitas do delegado quando Teleco, movido por imprudente malcia, transformou-se repentinamente em porco-do-mato.

A mudana e o retorno ao primitivo estado foram bastante rpidos para que o homem tivesse tempo de gritar. Mal abrira a boca, horrorizado, novamente tinha diante de si um pacfico coelho: O senhor viu o que eu vi? Respondi, forando uma cara inocente, que nada vira de anormal. O homem olhou-me desconfiado, alisou a barba e, sem se despedir, ganhou a porta da rua. A mim tambm pregava-me peas. Se encontrava vazia a casa, j sabia que ele andava escondido em algum canto, dissimulado em algum pequeno animal.

Ou mesmo no meu corpo sob a forma de pulga, fugindo-me dos dedos, correndo pelas minhas costas. Quando comeava a me impacientar e pedia-lhe que parasse com a brincadeira, no raro levava tremendo susto.

COMPLETA OBRA MURILO RUBIAO BAIXAR LIVRO

Debaixo das minhas pernas crescera um bode que, em disparada, me transportava at o quintal. Eu me enraivecia, prometia-lhe uma boa surra. Simulando arrependimento, Teleco dirigia-me palavras afetuosas e logo fazamos as pazes.

No mais, era o amigo dcil, que nos encantava com inesperadas mgicas. Amava as cores e muitas vezes surgia transmudado em ave que as possua todas e de espcie inteiramente desconhecida ou de raa j extinta. No existe pssaro assim! Mas seria inspido disfarar-me somente em animais conhecidos. O primeiro atrito grave que tive com Teleco ocorreu um ano aps nos conhecermos. Eu regressava da casa da minha cunhada Emi, com quem discutira asperamente sobre negcios de famlia.

Vinha mal-humorado e a cena que deparei, ao abrir a porta da entrada, agravou minha irritao. De mos dadas, sentados no sof da sala de visitas, encontravam-se uma jovem mulher e um mofino canguru. As roupas dele eram mal talhadas, seus olhos se escondiam por trs de uns culos de metal ordinrio. O que deseja a senhora com esse horrendo animal? Eu sou o Teleco antecipou-se, dando uma risadinha. Mirei com desprezo aquele bicho mesquinho, de pelos ralos, a denunciar subservincia e torpeza.

Nada nele me fazia lembrar o travesso coelhinho. Neguei-me a aceitar como verdadeira a afirmao, pois Teleco no sofria da vista e se quisesse apresentar-se vestido teria o bom gosto de escolher outros trajes que no aqueles.

Ante a minha incredulidade, transformou-se numa perereca. Saltou por cima dos mveis, pulou no meu colo. Lancei-a longe, cheio de asco. Retomando a forma de canguru, inquiriu-me, com um ar extremamente grave: Basta essa prova? O que voc quer? De hoje em diante serei apenas homem. No resisti ao ridculo da situao e dei uma gargalhada: E isso? Ela me olhou com raiva. Quis retrucar, porm ele atalhou: Tereza. Veio morar conosco. No linda? Sem dvida, linda.

Durante a noite, na qual me faltou o sono, meus pensamentos giravam em torno dela e da cretinice de Teleco em afirmar-se homem. Levantei-me de madrugada e me dirigi sala, na expectativa de que os fatos do dia anterior no passassem de mais um dos gracejos do meu companheiro.

Deitado ao lado da moa, no tapete do assoalho, o canguru ressonava alto. Acordei-o, puxando-o pelos braos: Vamos, Teleco, chega de trapaa. Abriu os olhos, assustado, mas, ao reconhecer-me, sorriu: Teleco?! Meu nome Barbosa, Antnio Barbosa, no , Tereza? Ela, que acabara de despertar, assentiu, movendo a cabea. Explodi, encolerizado: Se Barbosa, rua! E no me ponha mais os ps aqui, filho de um rato! Desceram-lhe as lgrimas pelo rosto e, ajoelhado, na minha frente, acariciava minhas pernas, pedindo-me que no o expulsasse de casa, pelo menos enquanto procurava emprego.

Embora encarasse com ceticismo a possibilidade de empregar-se um canguru, seu pranto me demoveu da deciso anterior, ou, para dizer a verdade toda, fui persuadido pelo olhar splice de Tereza, que, apreensiva, acompanhava o nosso dilogo. Barbosa tinha hbitos horrveis. Amide cuspia no cho e raramente tomava banho, no obstante a extrema vaidade que o impelia a ficar horas e horas diante do espelho.

Utilizava-se do meu aparelho de barbear, da minha escova de dentes e pouco serviu baixar-lhe esses objetos, pois continuou a usar os meus e os dele. Se me queixava do abuso, desculpava-se, alegando distrao. Tambm a sua figura tosca me repugnava. A pele era gordurosa, os membros curtos, a alma dissimulada. No media esforos para me agradar, contando-me anedotas sem graa, exagerando nos elogios minha pessoa. Por outro lado, custava tolerar suas mentiras e, s refeies, a sua maneira ruidosa de comer, enchendo a boca de comida com auxlio das mos.

Talvez por ter me abandonado aos encantos de Tereza, ou para no desagrad-la, o certo que aceitava, sem protesto, a presena incmoda de Barbosa. Se afirmava ser tolice de Teleco querer nos impor sua falsa condio humana, ela me respondia com uma convico desconcertante: Ele se chama Barbosa e um homem. O canguru percebeu o meu interesse pela sua companheira e, confundindo a minha tolerncia como possvel fraqueza, tornou-se atrevido e zombava de mim quando o recriminava por vestir minhas roupas, fumar dos meus cigarros ou subtrair dinheiro do meu bolso.

Em diversas ocasies, apelei para a sua frouxa sensibilidade, pedindo-lhe que voltasse a ser coelho. Voltar a ser coelho? Nunca fui bicho. Nem sei de quem voc fala. Falo de um coelhinho cinzento e meigo, que costumava se transformar em outros animais. Nesse meio-tempo, meu amor por Tereza oscilava por entre pensamentos sombrios, e tinha pouca esperana de ser correspondido. Mesmo na incerteza, decidi propor-lhe casamento. Fria, sem rodeios, ela encerrou o assunto: A sua proposta menos generosa do que voc imagina.

Ele vale muito mais. As palavras usadas para recusar-me convenceram-me de que ela pensava explorar de modo suspeito as habilidades de Teleco. Frustrada a tentativa do noivado, no podia v-los juntos e ntimos, sem assumir uma atitude agressiva.

O canguru notou a mudana no meu comportamento e evitava os lugares onde me pudesse encontrar. Uma tarde, voltando do trabalho, minha ateno foi alertada pelo som ensurdecedor da eletrola, ligada com todo o volume. Logo ao abrir a porta, senti o sangue afluir-me cabea: Tereza e Barbosa, os rostos colados, danavam um samba indecente.

Indignado, separei-os. No, sou um homem! E soluava, esperneando, transido de medo pela fria que via nos meus olhos. Tereza, que acudira, ouvindo seus gritos, pedia: No sou um homem, querida?

Fala com ele. Sim, amor, voc um homem. Por mais absurdo que me parecesse, havia uma trgica sinceridade na voz deles. Eu me decidira, porm. Joguei Barbosa ao cho e lhe esmurrei a boca. Em seguida, enxotei-os. Ainda da rua, muito excitada, ela me advertiu: Farei de Barbosa um homem importante, seu porcaria!

Foi a ltima vez que os vi. Tive, mais tarde, vagas notcias de um mgico chamado Barbosa a fazer sucesso na cidade. A minha paixo por Tereza se esfumara no tempo e voltara-me o interesse pelos selos. As horas disponveis eu as ocupava com a coleo.

Estava, uma noite, precisamente colando exemplares raros, recebidos na vspera, quando saltou, janela adentro, um cachorro. Refeito do susto, fiz meno de correr o animal. Todavia no cheguei a enxot-lo. Sou o Teleco, seu amigo afirmou, com uma voz excessivamente trmula e triste, transformando-se em uma cotia. E ela? Havia muitas cores Seguiu-se breve silncio, antes que voltasse a falar: O uniforme Por um momento, ficou a tossir. Uma tosse nervosa. Fraca, a princpio, ela avultava com as mutaes dele em bichos maiores, enquanto eu lhe suplicava que se aquietasse.

Contudo ele no conseguia controlar-se. Debalde tentava exprimir-se. Os perodos saltavam curtos e confusos. Pare com isso e fale mais calmo insistia eu, impaciente com as suas contnuas transformaes. No posso tartamudeava, sob a pele de um lagarto. Alguns dias transcorridos, perdurava o mesmo caos.

OBRA RUBIAO MURILO LIVRO COMPLETA BAIXAR

Pelos cantos, a tremer, Teleco se lamuriava, transformando-se seguidamente em animais os mais variados. Dos seus olhos, ento, escorriam lgrimas que, pequenas nos olhos midos de um rato, ficavam enormes na face de um hipoptamo. Ante a minha impotncia em diminuir-lhe o sofrimento, abraava-me a ele, chorando. O seu corpo, porm, crescia nos meus braos, atirando-me de encontro parede. No mais falava: mugia, crocitava, zurrava, guinchava, bramia, trissava. Por fim, j menos intranquilo, limitava as suas transformaes a pequenos animais, at que se fixou na forma de um carneirinho, a balir tristemente.

Colhi-o nas mos e senti que seu corpo ardia em febre, transpirava. Na ltima noite, apenas estremecia de leve e, aos poucos, se aquietou. Cansado pela longa viglia, cerrei os olhos e adormeci. Ao acordar, percebi que uma coisa se transformara nos meus braos. No meu colo estava uma criana encardida, sem dentes. Chegar o dia em que os teus pardieiros se transformaro em edifcios; naquele dia ficars fora da lei. Miqueias, VII, Mais de cem anos foram necessrios para se terminar as fundaes do edifcio que, segundo o manifesto de incorporao, teria ilimitado nmero de andares.

As especificaes tcnicas, clculos e plantas, eram perfeitas, no obstante o ceticismo com que o catedrtico da Faculdade de Engenharia encarava o assunto. Obrigado a se manifestar sobre a matria, por alunos insatisfeitos com o tom reticencioso do mestre, resvalava para a malcia afirmando tratar-se de vagas experincias de outra escola de concretagem. Batida a ltima estaca e concludos os alicerces, o Conselho Superior da Fundao, a que incumbia a direo-geral do empreendimento, dispensou os tcnicos e operrios, para, em seguida, recrutar nova equipe de profissionais e artfices.

Ao engenheiro responsvel, recm-contratado, nada falaram das finalidades do prdio. Finalidades, alis, que pouco interessavam a Joo Gaspar, orgulhoso como se encontrava de, no incio da carreira, dirigir a construo do maior arranha-cu de que se tinha notcia.

Ouviu atentamente as instrues dos conselheiros, cujas barbas brancas, terminadas em ponta, lhes emprestavam aspecto de severa pertincia. Davam-lhe ampla liberdade, condicionando-a apenas a duas ou trs normas, que deveriam ser corretamente observadas. A sua misso no seria somente exercer funes de natureza tcnica. Envolvia toda a complexidade de um organismo singular.

Os menores detalhes do funcionamento da empresa construtora estariam a seu cargo, cabendo-lhe proporcionar salrios compensadores e constante assistncia ao operariado. Competia-lhe, ainda, evitar quaisquer motivos de desarmonia entre os empregados.

Essa diretriz, conforme lhe acentuaram, destinava-se a cumprir importante determinao dos falecidos idealizadores do projeto e anular a lenda corrente de que sobreviveria irremovvel confuso no meio dos obreiros ao se atingir o octingentsimo andar do edifcio e, consequentemente, o malogro definitivo do empreendimento. No decorrer das minuciosas explicaes dos dirigentes da Fundao, o jovem engenheiro conservou-se tranquilo, demonstrando absoluta confiana em si, e nenhum receio quanto ao xito das obras.

Houve, todavia, uma hora em que se perturbou ligeiramente, gaguejando uma frase ambgua. No pense em termin-la, Joo Gaspar. Voc morrer bem antes disso. Ns que aqui estamos constitumos o terceiro Conselho da entidade e, como os anteriores, jamais alimentamos a vaidade de sermos o ltimo. A mesma orientao que recebera dos seus superiores, o engenheiro a transmitiu aos subordinados imediatos.

Nem sequer omitiu a advertncia que o encabulara. E vendo que suas palavras tinham impressionado bem mais a seus ouvintes do que a ele as do ancio, sentiu-se plenamente satisfeito. Joo Gaspar era meticuloso e detestava improvisaes. Antes de encher-se a primeira frma de concreto, instituiu uma comisso de controle para fiscalizar o pessoal, organizar tabelas de salrios e elaborar um boletim destinado a registrar as ocorrncias do dia.

Essa medida valeu maior rendimento de trabalho e evitou, por diversas vezes, dissenses entre os assalariados. A fim de estimular a camaradagem entre os que lidavam na construo, desenvolviam-se aos domingos alegres programas sociais. Devido a esse e outros fatores, tudo corria tranquilamente, encaminhando-se a obra para as etapas previstas. De cinquenta em cinquenta andares, Joo Gaspar oferecia uma festa aos empregados. Fazia um discurso. Inquietante expectativa marcou a aproximao do o pavimento.

Redobraram-se os cuidados, triplicou-se o nmero de membros da Comisso de Controle, cuja atividade se tornara incessante, superando dificuldades, aplainando divergncias.

Deliberadamente, adiou-se o baile que se realizava ao termo de cada cinquenta pisos concludos. Afinal, dissiparam-se as preocupaes. Haviam chegado sem embaraos ao octingentsimo andar. O acontecimento foi comemorado com uma festa maior que as precedentes.

Resenhas - Murilo Rubião

Pela madrugada, porm, o lcool ingerido em demasia e um incidente de pequena importncia provocaram um conflito de incrvel violncia. Homens e mulheres, indiscriminadamente, se atracaram com ferocidade, transformando o salo num amontoado de destroos.

Enquanto cadeiras e garrafas cortavam o ar, o engenheiro, aflito, lutava para acalmar os nimos. No conseguiu. Quando voltou a si, o corpo ensanguentado e dolorido pelas pancadas e pontaps que recebera aps a queda, sentiu-se vtima de terrvel cilada. De modo inesperado, cumprira-se a antiga predio. Depois do incidente, Joo Gaspar trancou-se em casa, recusando-se a receber os seus mais ntimos colaboradores, para no ouvir deles palavras de consolo.

J que se fazia impossvel continuar as obras, desejava, ao menos, descobrir o erro em que incorrera. Acreditava ter obedecido fielmente s instrues do Conselho. Se fracassara, a culpa deveria ser atribuda omisso de algum detalhe desconhecido da profecia.

A insistncia dos auxiliares venceu sua teimosia e concordou em atend- los. Queriam saber por que desanimara, no mais comparecera ao edifcio. Ficara ressentido pela briga? Que adiantaria a minha presena? No lhes satisfez a minha humilhao?

Aquilo fora uma simples bebedeira. Estavam todos envergonhados com o que acontecera e lhe pediam desculpas. E ningum abandonou o trabalho?

Ante a resposta negativa, ele se abraou aos companheiros: Daqui para frente nenhum obstculo interromper nossos planos! Os olhos permaneciam umedecidos, mas os lbios ostentavam um sorriso de altivez. Em ambiente calmo, todos se empenhando nas suas tarefas, mais noventa e seis andares foram acrescidos ao prdio.

As coisas seguiam perfeitas, a mdia de trabalho dos assalariados era excelente. Empolgado por um delirante contentamento, o engenheiro distribua gratificaes, desfazia-se em gentilezas com o pessoal, vagava pelas escadas, debruava-se nas janelas, dava pulos, enrolava nas mos as barbas embranquecidas.

Para prolongar o sabor do triunfo, que o cansao comeava a solapar, ocorreu-lhe redigir um circunstanciado relatrio aos diretores da Fundao, contando os pormenores da vitria. Demonstraria tambm a impossibilidade de surgirem, no futuro, outras profecias que pudessem embaraar o prosseguimento das obras.

Ultimado o memorial, ele se dirigiu sede do Conselho, lugar em que estivera poucas vezes e em poca bem remota. Ainda duvidando do que ouvira, o engenheiro indagou ao arquivista nico auxiliar remanescente do enorme corpo de funcionrios da entidade se lhe tinham deixado recomendaes especiais para a continuao do prdio.

De nada sabia, nem mesmo por que estava ali, sem patres e servios a executar. Ansiosos por descobrir documentos que os orientassem, atiraram-se faina de revolver armrios e arquivos. Nada conseguiram. S encontraram especificaes tcnicas e uma frase que, amide, aparecia margem de livros, relatrios e plantas: preciso evitar-se a confuso. Ela vir ao cabo do octingentsimo pavimento.

Esvara-se a euforia de Joo Gaspar. Vago e melanclico, retornou ao edifcio. Da ltima laje, as mos apoiadas na cintura, teve um momento de mesquinha grandeza, julgando-se senhor absoluto do monumento que estava a seus ps. Quem mais poderia ser, desde que o Conselho se extinguira?! Fugaz foi o seu desmedido orgulho. Ao regressar a casa, onde sempre faltara a diligncia de uns dedos femininos, as dvidas o perseguiam. Por que legavam a um mero profissional tamanho encargo?

Quais os objetivos dos que tinham idealizado to absurdo arranha-cu? As perguntas iam e vinham, enquanto o edifcio se elevava e menores se faziam as probabilidades de se tornar claro o que nascera misterioso. Sorrateiro, o desnimo substituiu nele o primitivo entusiasmo pela obra. Queixava-se aos amigos do tdio que lhe provocava o infindvel movimento de argamassa, pedra britada, formas de madeira, alm da angstia que sentia, vendo o montono subir e descer de elevadores.

Quando a ansiedade ameaou lev-lo ao colapso, convocou os trabalhadores para uma reunio. Explicou-lhes, com enftica riqueza de detalhes, que a dissoluo do Conselho obrigava-o a paralisar a construo do edifcio.

Falta-nos, agora, um plano diretor. Sem este no vejo razes para se construir um prdio interminvel concluiu. Os operrios ouviram tudo com respeitoso silncio e, em nome deles, respondeu firme e duro um especialista em concretagem: Acatamos o senhor como chefe, mas as ordens que recebemos partiram de autoridades superiores e no foram revogadas.

Joo Gaspar, inutilmente, apelaria para a compreenso dos servidores. Igualmente corteses, os empregados repeliam a ideia de abandonar o trabalho. Ouam-me pedia ele, impaciente com a obstinao dos subordinados. Seria necessrio que as fundaes fossem reforadas medida que se aumentasse o nmero de andares.

Tambm isso impraticvel. Apesar de ouvido sempre com ateno, no convencia a ningum. E teve que assumir uma atitude de intransigncia, demitindo todo o pessoal.

Murilo Rubião - Obra completa

Os operrios se negaram a aceitar o ato de dispensa. Alegavam a irrevogabilidade das determinaes dos falecidos conselheiros. Por fim, disseram que iriam trabalhar noite e aos domingos, independente de qualquer pagamento adicional.

A deciso dos assalariados de aumentar o nmero de horas de servio deu novo alento ao engenheiro, que esperava v-los vencidos pela estafa, pois lhes seria impossvel manter por muito tempo semelhante esforo coletivo. Logo verificaria seu engano.

Alm de no apresentarem sinais de cansao, para ajud-los vieram das cidades vizinhas centenas de trabalhadores que se dispunham a auxiliar gratuitamente os colegas. Vinham cantando, sobraando as ferramentas, como se preparados para longa e alegre campanha. Pouco adiantava recusar-lhes a colaborao, eles mesmos escolhiam as tarefas e as iniciavam com entusiasmo, indiferentes agressiva repulsa de Joo Gaspar.

Vendo multiplicar as levas de voluntrios, o engenheiro no teve mais nimo de enxot-los. Passou a percorrer, um por um, os andaimes, exortando-os a abandonar o trabalho.

Fazia longos discursos e, muitas vezes, caa desfalecido de tanto falar. A princpio, os empregados se desculpavam, constrangidos por no ouvirem atentamente as suas palavras. Com o passar dos anos, habituaram-se a elas e as consideravam pea importante nas recomendaes recebidas pelo engenheiro- chefe antes da dissoluo do Conselho. No raro, entusiasmados com a beleza das imagens do orador, pediam-lhe que as repetisse. Joo Gaspar se enfurecia, desmandava-se em violentos insultos.

Mas estes vinham vazados em to bom estilo, que ningum se irritava. E, risonhos, os obreiros retornavam ao servio, enquanto o edifcio continuava a ganhar altura. O LODO. Tu abriste caminho aos teus cavalos no mar, atravs do lodo que se acha no fundo das grandes guas. Habacuc, III, Lamentava ter aceitado o conselho de procurar a clnica do doutor Pink. Uma depresso ocasional, e cara nas mos do analista. Por desconhecer at aquela data a existncia de semelhante especialidade, achou estranho o comportamento do mdico, que nada receitara nem demonstrara interesse pelos sintomas da doena.

Galateu no sabia se estava realmente enfermo, mas era fora de propsito ser obrigado a deitar-se num div e ouvir uma srie de perguntas imbecis sobre a sua adolescncia: Doutor, vim atrs de clnico, no de padre. O analista se irritou com a insinuao. E, repreensivo, assegurou que o paciente carregava dentro de si imenso lodaal. Exigia que falasse da infncia, do relacionamento com os pais.

Other Editions 1. Friend Reviews. To see what your friends thought of this book, please sign up. To ask other readers questions about Obra Completa , please sign up. Lists with This Book. This book is not yet featured on Listopia. Community Reviews. Showing Rating details. More filters. Sort order. May 09, Mauricio Abbade rated it it was amazing. Este escritor é incrível e merece um reconhecimento maior do que aquele que damos a ele.

Feb 19, Erika rated it really liked it. Quando o absurdo penetra na realidade. Sep 28, Newton Nitro rated it really liked it Shelves: brazilian-literature , fantasy. Escrever é reescrever e noto sempre quando uma prosa é mais trabalhada, mais lapidada por um escritor. Uma das partes principais da estrutura narrativa usada pelo escritor é o imprevisto. Essa cadeia de equívocos acaba por fim cercando tanto o narrador quando os protagonistas dos contos. O mais interessante ao meu ver é o modo como o humor entra nas histórias.

A primeira parte de um dos contos do livro, que lida com um casal que decide abortar uma gravidez indesejada, é brutal e impressionante, digna de um Rubem Fonseca.

Recomendadíssimo, um escritor que precisa ser mais conhecido. Feb 08, Isabella De Oliveira Campos rated it really liked it Shelves: fiction , books-i-own , brazilian-and-portuguese-books. Alguns contos como A Armadilha ficaram comigo por dias após le-lo.