3deko.info

Olá, meu nome é Pablo e criei este blog para ajudar os estudantes portugueses a estudar. Carrego milhares de arquivos úteis toda semana

APOSTILAS DEGRAU CULTURAL BAIXAR


Apostilas DIGITAIS E IMPRESSAS para concursos públicos. Com cursos presenciais no Rio de Janeiro, apostilas impressas e digitiais e Na Degrau Cultural você encontra a forma de preparação que você mais se. Apostila - Concurso Bombeiros. Produzido por: Degrau Cultural. Apostila - Concurso Bombeiros. Sumário   Língua Portuguesa.

Nome: apostilas degrau cultural
Formato:ZIP-Arquivar
Sistemas operacionais: Android. iOS. MacOS. Windows XP/7/10.
Licença:Apenas para uso pessoal (compre mais tarde!)
Tamanho do arquivo:50.73 Megabytes

CULTURAL BAIXAR DEGRAU APOSTILAS

Kenia no março 6, a partir do pm. Vimos, também, que nem sempre ele coincide com a periodicidade da taxa. Clique aqui para conhecer o Ponto dos Concursos. ProximosConcursos no fevereiro 10, a partir do pm. Personal Firewall tcpdump, nessus, ethereal, ippl, ipchains, iptables.

Com cursos presenciais no Rio de Janeiro, apostilas impressas e digitiais e Na Degrau Cultural você encontra a forma de preparação que você mais se. Apostila - Concurso Bombeiros. Produzido por: Degrau Cultural. Apostila - Concurso Bombeiros. Sumário   Língua Portuguesa. Apostilas Digitais (PDF), Impressas e Cursos On-Line. CNPJ / 76; Telefone (11) ApostilasOpção. 26 anos. Participando da sua. Caro Aluno, A seguir você poderá baixar o resultado preliminar das provas objetivas do Simulado aplicado no dia 25/06/ O resultado final. Apostila para concurso, Notas de estudo de Cultura Baixar o documento Os Editores Central de Concursos / Degrau Cultural 3 INDICE.

I Gnero: a categoria gramatical que, no portugus, distribui os nomes masculinos e femininos, no existindo correspondncia nenhuma entre gnero masculino e sexo masculino, ou gnero feminino e sexo feminino.

Lngua Portuguesa Os adjetivos compostos fazem o plural com flexo do ltimo elemento: castanho-escuros. Se o ltimo elemento for um substantivo, no haver flexo, ou seja, ficar invarivel: tapetes verde-esmeralda.

Superior: Pedro mais inteligente que Paulo. Inferior: Paulo menos inteligente que Pedro. Igualdade: Pedro to inteligente quanto Paulo. Superlativo pelo qual uma qualidade levada ao mais alto grau de intensidade. Analtico: Pedro muito inteligente. Sinttico: Pedro inteligentssimo. Exerccio Retire, do texto abaixo, os substantivos e os adjetivos: A infncia generosa e tem sentimentos de dignidade que os interesses da vida adulta muitas vezes obscurecem.

A infncia aprende por smbolos. Colombo no era s um grande navegador, mas um smbolo. No aprendemos com ele a arte de navegar: mas a de cumprir um desatino grandioso e amargo. E isso ainda maior que descobrir a Amrica. Adjetivos ou locues adjetivas: generosa, de dignidade, adulta, grande, de navegar, grandioso, amargo e maior. Artigo a palavra varivel que antecede o substantivo, indicando seu gnero e nmero, alm de defini-lo ou no.

DEFINIDO: que se trata de um ser j conhecido do leitor ou do ouvinte, seja por ter sido mencionado antes, seja por ser objeto de um conhecimento de experincia. O rapaz saiu de casa cedo. A mulher queria muito ter filhos. Um cachorro atravessou na frente do carro. Uma mulher libertou-se do algoz. Importante: Embora o artigo sempre anteceda a um substantivo, no necessrio que ele esteja imediatamente antes deste.

Numeral a palavra que exprime quantidade, ordem, frao e multiplicao.

Lembre-se: a grafia correta do numeral 50 cinqenta. Pronome Nicolau Fagundes Varela entregou-se a todos os temas e aos versos de todas as medidas. No fcil, portanto, classific-lo- nesta ou naquela modalidade potica.

Qualquer rtulo para marc-lo seria sempre incompleto. Sertanista, buclico, lrico, paisagista, mstico, pico, descritivo, patritico, de tudo ele foi, um pouco de cada vez. Fagundes Varela. Rio de Janeiro, Agir, Observe as palavras em destaque no texto: todos, todas, lo, esta, aquela, qualquer, ele, cada. As palavras lo e ele substituem o substantivo Fagundes Varela; as demais acompanham o nome.

Todas essas palavras so pronomes. Os nomes so palavras com contedo significativo, que simbolizam seres que temos em mente. Os pronomes tm pouco contedo significativo, exercendo no texto as seguintes funes: Representar as pessoas do discurso: No texto acima, o jornalista se refere a Fagundes Varela, emprega o pronome ele, que alude 3a pessoa do discurso, aquela de quem se fala.

Remeter a termos j enunciados no texto: Qualquer rtulo para marc-lo, este pronome lo est substituindo o nome de Fagundes Varela para no tornar o texto repetitivo. Pronome a palavra que substitui o substantivo pronome substantivo ou acompanha o substantivo pronome adjetivo.

Quando acompanha o substantivo, determina-o no espao ou no contexto. Pronomes Pessoais de Tratamento So palavras ou expresses utilizadas para as pessoas com quem se fala. So, portanto, pronomes de 2a pessoa, embora sejam empregados com verbo na 3a pessoa.

Esses pronomes, que aparecem apenas na linguagem formal, expressam uma atitude cerimoniosa do emissor em relao ao interlocutor ou pessoa de quem se fala. Os pronomes pessoais, como j vimos, denotam as pessoas gramaticais; os outros indicam algo determinados por elas. Emprego ambguo do possessivo de 3a pessoa As formas seu, sua, seus, suas aplicam-se indiferentemente ao possuidor da 3a pessoa do singular ou da 3a pessoa do plural, seja este possuidor masculino ou feminino. O fato de concordar o possessivo unicamente provoca dvida a respeito do possuidor.

Para evitar qualquer ambigidade, o portugus nos oferece o recurso de precisar a pessoa do possuidor com a substituio de seu s , sua s , pelas formas dele s , dela s , de voc, do senhor, da senhora e outras expresses de tratamento.

Substantivao dos possessivos No singular, o que pertence a uma pessoa: A moa no tinha um minuto de seu. No plural, os parentes de algum, seus companheiros, compatriotas ou correligionrios: Saudades a todos os teus. Emprego do possessivo pelo pronome oblquo tnico Em certas locues prepositivas, o pronome oblquo tnico, que deve seguir a preposio e com ela formar um complemento nominal do substantivo anterior, normalmente substitudo pelo pronome possessivo correspondente.

Podem situ-los no espao ou no tempo. Lngua Portuguesa Mas os demonstrativos empregam-se tambm para lembrar ao ouvinte ou ao leitor o que j foi mencionado ou o que vai mencionar. As formas variveis podem funcionar como pronomes adjetivos e como pronomes substantivos: Este PA livro meu. Meu livro este PS. Valores Gerais: este, esta, isto indicam o que est perto da pessoa que fala e o tempo presente em relao pessoa que fala; esse, essa, isso designam o que est perto da pessoa a quem se fala e o tempo passado ou futuro com relao poca em que se coloca a pessoa que fala; aquele, aquela, aquilo denotam o que est afastado tanto da pessoa que fala como da pessoa a quem se fala, e ainda um afastamento no tempo de modo vago, ou uma poca remota.

BAIXAR CULTURAL APOSTILAS DEGRAU

O que distingue os interrogativos dos demais pronomes sua funo bsica: a de inquirir algum interlocutor. O interrogativo aponta para a pessoa ou coisa a que se refere mediante uma pergunta, direta ou indireta. Sua significao, assim como nos indefinidos indeterminada. Por isso, aps seu uso o interlocutor espera uma resposta que esclarea o que se perguntou.

Lngua Portuguesa Verbo A Antigidade greco-romana conheceu o amor quase sempre como uma paixo dolorosa e, apesar disso, digna de ser vivida e em si mesma desejvel. Esta verdade, legada pelos poetas de Alexandria e Roma, no perdeu nem um pouco de sua vigncia: o amor desejo de completude e assim responde a uma necessidade profunda dos homens.

PAZ, O. A dupla chama: amor e erotismo. So Paulo, Siciliano, As palavras em destaque em destaque no texto exprimem fatos, situando-os no tempo. Verbo a palavra que exprime ao, estado, mudana de estado, fenmeno natural e outros processos, flexionando-se em pessoa, nmero, modo, tempo e voz. Flexo o acidente gramatical que muda a forma do verbo para que este expresse mudana de voz, modo, tempo, nmero e pessoa.

Os trs tempos bsicos so o presente, o passado e o futuro. Tempos primitivos e derivados Tempos priitivos so os que do origem a outros tempos, chamados derivados. Existem dois tempos e uma forma nominal que do origem a todos os tempos e formas nominais, inclusive a um modo, o imperativo.

Tomemos por exemplo o verbo caber. Quando o verbo ativo vem precedido de um verbo auxiliar, este no sofre transformao na passagem para a voz passiva exceto a exigida pela concordncia : a coloca-se o ltimo verbo o principal no particpio; b conjuga-se o verbo ser na forma em que estava o verbo principal; c repete-se o auxiliar, procedendo a concordncia.

Formas nominais do verbo Infinitivo Impessoal terminado em r para qualquer pessoa, o nome do verbo: falar, vender, partir Infinitivo Pessoal alm da desinncia r, vem marcado com desinncia de pessoa e nmero: Falar - Falar - es Falar - Falar - mos Falar des Falar em As desinncias de pessoa e nmero so um recurso para indicar, sem ambigidade, ou para enfatizar, o sujeito do processo expresso pelo infinitivo.

DEGRAU CULTURAL BAIXAR APOSTILAS

Gerndio funciona como adjetivo ou como advrbio: Vi a menina chorando. Particpio empregado na formao dos tempos compostos.

apostilas da degrau cultural para

Fora disso, um verdadeiro adjetivo chamado adjetivo adverbial , devendo ser flexionado, como adjetivo, em gnero, nmero e grau: Tnhamos estudado a lio. Vozes verbais As vozes verbais indicam o relacionamento do sujeito com o processo verbal.

Formao da voz passiva Vimos que na voz passiva o verbo indica a ao recebida pelo sujeito, sendo este denominado, ento, paciente. Lngua Portuguesa Advrbio Os homens do cortio quase sempre trabalham fora serventes, carregadores, funcionrios pblicos humildes , salvo os adolescentes malandros e os doentes.

E, durante o dia, o cortio das crianas, inmeras, que povoam o ptrio comum, e das mulheres, sempre s voltas com as tinas de roupas. A capital federal no incio do sculo. Nosso sculo So Paulo, Abril Cultural, Observe as palavras em destaque no texto, todas elas so advrbios. Estes so palavras que modificam um verbo, um adjetivo, outro advrbio ou uma orao inteira. Advrbio modifica um verbo, quando ao verbo acrescentado uma circunstncia: Pedro constri um muro ali.

Advrbio modifica um adjetivo, quando o advrbio est intensificando o significado do adjetivo: Estradas muito ruins. Advrbio modifica outro advrbio, quando o advrbio est intensificando outro advrbio: As meninas vo muito bem.

Advrbio modifica uma orao inteira, quando este indica uma circunstncia para todos os elementos da orao: Lamentavelmente eu no te amo mais.

Ranking dos melhores cursos preparatórios para concursos

Locuo adverbial um conjunto de palavras podendo exercer a funo de advrbio. Cantar, vender, partir. Estar, ouvir. Apresenta transformaes profundas no radical: ser e ir. AUXILIAR: aquele que, desprovido total ou parcialmente de sentido prprio, junta-se a outro verbo, formando uma unidade de significado e constituindo a chamada locuo verbal: ser, estar, ter, haver.

Preposio Invejo o ourives quando escrevo: Imito o amor Com que ele, em ouro, o alto-relevo Faz de uma flor. Olavo Bilac Preposio a palavra invarivel que relaciona dois termos. Nessa relao, um termo completa ou explica o sentido do outro.

So acidentais as preposies que provierem de outras classes: Conjuno Sagitrio A lua volta voc para as coisas prticas, mas evite desatenes para que tudo se resolva. Dica: restrinja seus gastos e perceba que despesas desnecessrias s servem para aquecer o consumo. Lngua Portuguesa Conjuno a palavra invarivel que estabelece relao entre duas oraes ou entre dois termos que exercem a mesma funo sinttica. Classificao Coordenativas so classificadas de acordo com as relaes que estabelecem entre termos ou oraes.

Subordinativas ligam oraes dependentes, isto , subordinam uma orao outra. Interjeio a palavra que expressa estados emotivos. Como tem sentido completo, trata-se de uma palavra-frase. Cumprem, basicamente, duas funes: sintetizar uma frase exclamativa, exprimindo alegria, tristeza, dor, animao, etc. Onde estou? CRASE fuso da preposio a com o artigo a ou com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele, aquela, aquilo Para que ela ocorra, necessrio que haja: a um termo regente que exija a preposio a; b um termo regido que seja modificado pelo artigo a ou por um dos pronomes demonstrativos de 3 pessoa mencionados acima.

Apostilas para concursos de jornalismo | Jornalistas Concurseiros

Vou a a praia. Dicas: Para se certificar, substitua o termo feminino por um masculino, se a contrao ao for necessria, a crase ser necessria. Exemplo: Vou praia. Exemplo: Dirigiu-se professora. Exemplo: medida que passa tempo a violncia aumenta. O povo brasileiro vive merc de polticos muitas das vezes corruptos. Gosto muito de sair noite.

Exemplo: Retornou s oito horas em ponto. Exemplo: Farei para o jantar uma bacalhoada moda de Portugal portuguesa. Emprego facultativo da crase 1 Diante de pronomes possessivos femininos. Vou a sua casa. No me referia a Eliana. Foi at a porta.

Casos em que nunca ocorre a crase 1 Diante de palavras masculinas. Exemplo: Saiu a cavalo e sofreu uma queda. Exemplo: Ele est apto a concorrer ao cargo. Exemplo: Turistas vo freqentemente a Tiradentes. Se houver contrao de 34 Degrau Cultural preposio e artigo, existir crase.

Exemplo: Voltei da Espanha. Voltei de Tiradentes. Exemplo: Fui histrica Tiradentes. Exemplo: Olhamo-nos cara a cara. Exemplo: Como posso resistir a pessoas to encantadoras? Exemplo: Isto me levou a uma deciso drstica. Exemplo: Entregarei a Nossa Senhora da Conceio minha oferenda. Exemplo: Os pilotos j voltaram a terra. Exemplo: No voltarei a casa esta semana. Dica: Caso a palavra casa venha determinada por adjunto adnominal, ocorrer a crase.

Exemplo: No voltarei casa de meus pais esta semana. Exemplo: Dei a ela oportunidade de se redimir. Exemplo: Daqui a duas semanas retornarei ao trabalho. Dicas: A crase da preposio a com o pronome demonstrativo a ocorrer sempre antes do pronome relativo que que ou da preposio de de.

Exemplo: Esta no a pessoa que me referia. Em uma anlise sinttica podemos ter: 1- Frase a reunio de palavras que expressam uma idia completa, constitui o elemento fundamental da linguagem, no precisa necessariamente conter verbos.

Que delcia esse bolo. Exemplo: Todos estavam a sua espera para o jantar. Dica: O verbo pode estar elptico no aparece, mas existe Exemplo: Ana Carolina faz tanto sucesso quanto faz Ivete Sangalo. Ele pode ser constitudo por uma ou mais oraes. O perodo pode ser: simples - constitudo por apenas uma orao. Exemplo: Machado de Assis um dos maiores escritores da literatura brasileira.

Exemplo: No podemos esquecer que todos estavam aguardando a vaga. Seu ncleo palavra mais importante pode ser um substantivo, pronome ou palavra substantivada.

Exemplo: Ana Carolina faz tanto sucesso quanto faz Ivete Sangalo. Exemplo: Autores consagrados ganham as prateleiras dos supermercados. Exemplo: Jogadores e torcedores reclamaram da arbitragem. Exemplo: Onde estou, o que quero da vida? Apesar do sujeito no estar expresso, pode ser identificado nas duas oraes: eu. Sujeito indeterminado Aquele que no se quer ou no se pode identificar. Exemplo: Vive-se melhor em Paris do que em Londres.

Roubaram o carro. Ateno: O sujeito pode ser indeterminado em duas situaes: verbo na terceira pessoa do plural sem sujeito expresso: Telefonaram por engano para casa de vov. Sujeito inexistente ou orao sem sujeito A informao contida no predicado no se refere a sujeito algum. Ocorre orao sem sujeito quando temos um verbo impessoal. O verbo impessoal quando: Indica fenmenos da natureza chover, nevar, amanhecer, etc. Exemplo: Chovia muito naquela noite do acidente. Choveu muito em So Paulo este ms.

Fazer, ser, estar indicarem tempo cronolgico. Exemplo: Faz anos que ela no aparece. J uma hora da tarde. Est quente em Minas Gerais.

Haver tiver sentido de existir. Exemplo: Havia soldados por toda parte. Ateno: Os verbos impessoais sempre ficaro na 3 pessoa do singular havia, faz Termos ligados ao nome Existem alguns termos que se ligam aos nomes. Exemplo: Neste ano, estimule a inteligncia de seus alunos. Exemplo: As impresses foram feitas rapidamente. Assunto: Discutiram sobre religio. Causa: As crianas morrem de fome.

Companhia: Fui ao teatro com meu irmo. Concesso: Voltamos apesar do escuro. Condio: No dirija sem minha permisso. Direo: Apontou para todos. Dvida: Talvez ele me deixe ir. Efeito: Sua atitude redundou em prejuzos.

Excluso: Todos saram, menos Maria. Finalidade: Sa caa. Instrumento: Cortou-se com o alicate. Intensidade: Danou muito. Lugar: Estive na casa de Paulo. Matria: Bolo se faz com trigo. Meio: Passei a tentar levar o barco pelo leme. Modo: Correu incansavelmente. Negao: No v escola. Oposio: Voltou contra o prprio partido. Ordem: Classificou-se em primeiro lugar.

DEGRAU BAIXAR APOSTILAS CULTURAL

Preo: Comprei tudo por cem reais. Tempo: Voc chegou ontem? Predicao verbal A - Que verbo transitivo? H dois tipos: 1 Transitivo direto - pede objeto direto.

Os meninos da classe baixaram pipocas. Observaes: 1. H verbos transitivos que pedem dois objetos: um direto e outro, indireto. Exemplos: Dar, mostrar, pedir, devolver, entregar, oferecer. O namorado deu a Clia indireto um buqu direto.

Pode haver objetos diretos preposicionados. Reflitase para distinguir. Exemplos: Deus ama aos homens. Aos homens objeto direto porque indica os seres a quem se dirige o sentimento do amor de Deus. B - Que verbo intransitivo? A ao que ele exprime, no passa necessariamente a outro elemento.

Exemplo: A criana dorme. O verbo intransitivo poder vir acompanhado de adjuntos adverbiais, mas continua sendo intransitivo. Exemplos: A criana dorme bem. So os verbos que servem somente para ligar o sujeito ao seu predicativo. No apresentam significao. So eles: ser, estar, parecer, permanecer, continuar, tornar-se e ficar. Exemplos: Ficamos emocionados. Permanecer solteira. Todos estavam tristes com a notcia. Ele sempre concorda em nmero e pessoa com o sujeito. Quando um caso de orao sem sujeito, o verbo do predicado fica na forma impessoal, 3 pessoa do singular.

O ncleo do predicado pode ser um verbo significativo, um nome ou ambos. Exemplo: Seu trabalho tem uma ligao muito forte com a psicanlise. Geralmente regido de preposio. Exemplo: A criana tinha necessidade de mais leitura. Os turistas tinham disposio para os passeios. Exemplo: Os torcedores saram alegres. Exemplo: Maria Alice, filha de Joo e Maria, era uma moa muito recatada e bonita. Dicas: O aposto geralmente vem marcado por algum tipo de pontuao: vrgula, travesso, parnteses ou dois-pontos.

Exemplo: Algumas frutas - ma, pra e melancia - foram escolhidas para a exposio. Lngua Portuguesa Exemplo: Ministro anuncia reajuste de impostos. Exemplo: O tcnico comprou vrias bolas. VTD O tcnico gosta de bolas novas. VTI O tcnico prefere melhores condies de trabalho a aumento de salrio. VTDI O tcnico viajou.

VI Que objeto direto? Consiste em fazer ao verbo uma das perguntas: - QUEM? A resposta ser objeto direto. Exemplo: Joo pegou a chave. Pergunta-se: Joo pegou o qu? Resposta - a chave.

Objeto direto: a chave. O co pegou o menino. Pergunta-se: - O co pegou quem? Resposta: - o menino. Objeto direto: o menino. Que objeto indireto? Acha-se o objeto indireto, fazendo ao verbo, uma das seguintes perguntas: A QU? DE QU? A QUEM? Exemplo: Andr obedece aos pais. Obedece a quem? Este o objeto indireto, est indiretamente ligado ao verbo, isto , por meio de uma preposio. Nesse tipo de predicado, o verbo no significativo e sim de ligao. Serve de elo entre o sujeito e o predicativo.

Exemplo: Todos estavam apressados. Exemplo: O juiz julgou o ru culpado. Ncleos: julgou - verbo significativo culpado - predicativo do objeto o ru VOCATIVO o nico termo isolado dentro da orao, pois no se liga ao verbo nem ao nome. No faz parte do sujeito nem do predicado.

Apostilas para concursos de jornalismo

A funo do vocativo chamar ou interpelar o elemento a que se est dirigindo. Exemplo: Pai, perdoai nossos pecados. Querida, obrigado pela surpresa. Perodo composto por coordenao No perodo composto por coordenao, as oraes se ligam pelo sentido, mas no existe dependncia sinttica entre elas. As oraes coordenadas de subdividem em: Assindticas- No so introduzidas por conjuno.

Exemplo: Trabalhou, sempre ir trabalhar. Sindticas - So introduzidas por conjuno. Esse tipo de orao se subdivide em: 1 - Aditiva: idia de adio, acrscimo. Principais conjunes usadas: e, nem, no somente Exemplo: O professor no somente elaborou exerccios como tambm uma extensa prova. Principais conjunes usadas: mas, contudo, entretanto, porm Exemplo: O professor elaborou um exerccio simples, mas a prova foi bastante complexa. Principais conjunes usadas: quer Exemplo: Ou o professor elabora o exerccio ou desiste de aplicar a prova.

Principais conjunes usadas: portanto, pois, logo Exemplo: O professor no elaborou a prova, logo no poder aplic-la na data planejada. Principais conjunes usadas: pois, porque. Exemplo: O professor no elaborou a prova, porque ficou doente. Dica: A conjuno pois pode introduzir oraes conclusivas ou explicativas. Quando tiver dvidas, procure substitu-la por outras conjunes.

Perodo composto por subordinao No perodo subordinado, existem pelo menos uma orao principal e uma subordinada. A orao principal sempre incompleta, ou seja, alguma funo sinttica est faltando.

As oraes subordinadas desempenham a funo sinttica que falta na principal: objeto direto, indireto, sujeito, predicativo, complemento nominal Orao principal: O rapaz gostava Orao subordinada: de que todos olhassem para ele.

A orao principal est incompleta, falta objeto indireto para o verbo gostar, o orao subordinada desempenha a funo de objeto indireto da principal. As oraes subordinadas se subdividem em: Substantivas As oraes subordinadas substantivas exercem funes especficas do substantivo: sujeito, objeto, predicativo Dicas: As oraes subordinadas substantivas desenvolvidas so introduzidas pelas conjunes integrantes se ou que e possuem verbos conjugados.

As oraes subordinadas substantivas reduzidas no so introduzidas por conjunes e possuem verbos na formas nominais particpio, gerndio ou infinitivo.

Lngua Portuguesa Exemplo: possvel que eu fracasse. Exemplo: O professor observava que os alunos eram muito dedicados. Exemplo: A nova mquina necessitava de que os funcionrios supervisionassem mais o trabalho.

DEGRAU CULTURAL BAIXAR APOSTILAS

Exemplo: Meu consolo era que o trabalho estava no fim. Exemplo: difcil que ele venha. Dicas: O verbo da orao principal sempre estar na 3 pessoa do singular quando a orao subordinada for subjetiva. Exemplo: Sua falha trgica a dificuldade de ser malevel em relao realidade.

Exemplo: H nas escolas uma norma: que os alunos so respeitados. Dicas: A orao apositiva sempre estar pontuada, ou entre vrgulas ou depois de dois pontos. Adjetivas Podem ser: 1 - Restritivas Exercem a funo de adjunto adnominal da orao principal, restringem o nome ao qual se referem, no so separadas por vrgulas. Exemplo: O trabalho que realizei ontem foi produtivo.

Exemplo: O computador, que um meio rpido de comunicao, est conquistando todas as famlias. Dicas: As oraes subordinadas adjetivas sempre sero introduzidas por pronomes relativos. Adverbiais Oraes subordinadas adverbiais: 1 - Causais Expressam a causa da conseqncia expressa na orao principal.

Exemplo: Chegou atrasado ao encontro, porque estava em uma reunio. Principais conjunes: que precedido de tal, tanto, to ou tamanho , de modo que, de forma que, de sorte que etc. Exemplo: A reunio atrasou tanto que ele se atrasou para o encontro. Principais conjunes: medida que, proporo que, ao passo que, quanto mais Exemplo: medida que a reunio avanava, ele se atrasava para o encontro.

CULTURAL APOSTILAS BAIXAR DEGRAU

Principais conjunes: quando, mal, apenas, logo que, assim que, antes que, depois que, at que, desde que, cada vez que, sempre que etc. Exemplo: Logo que ele chegou, arrumou os trabalhos. Exemplo: Professores, tenham mais argumentos para pedir aumento salarial. Principais conjunes: se, caso, contanto que, desde que, salvo se, a menos que, dado que, a no ser que, sem que etc.

Exemplo: Se ele partir, o projeto ser cancelado. Principais conjunes: como, qual, que, do que, que depois de mais, menos, maior, melhor, pior , bem como, assim como, que nem etc. Exemplo: Sua famlia to importante quanto seu trabalho. Principais conjunes: embora, conquanto, ainda que, mesmo que, posto que, se bem que, por mais que, apesar de que etc. Exemplo: Mesmo que trabalhe muito, no ser recompensada.

Exemplo: Segundo havamos combinado, a viagem ser cancelada. PONTUAO Os sinais de pontuao so sinais grficos empregados na lngua escrita para tentar recuperar recursos especficos da lngua falada, tais como: entonao, jogo de silncio, pausas, etc Exemplo: Lembro-me muito bem dele. Exemplo: Fica comigo. No v embora. Exemplo: Meus amigos so poucos: Ftima, Rodrigo e Gilberto. Exemplo: Sabe Joo est? Quem sabe se ligar mais tarde Exemplo: Sua tez, alva e pura como um foco de algodo, tingia-se nas faces duns longes cor-derosa Ceclia- Jos de Alencar d indicar supresso de palavra s numa frase transcrita.

Exemplo: Quando penso em voc Exemplo: Na 2 Guerra Mundial , ocorreu inmeras perdas humanas. Uma manh l no Cajapi Joca lembrava-se como se fora na vspera , acordara depois duma grande tormenta no fim do vero. O milagre das chuvas no nordeste Graa Aranha Dica: Os parnteses tambm podem substituir a vrgula ou o travesso.

As violetas de Nossa Sra. Exemplo: Lcia, esposa de Joo, foi a ganhadora nica da Sena. Dica: Podemos concluir que, quando h uma relao sinttica entre termos da orao, no se pode separ-los por meio de vrgula. No se separam por vrgula: a predicado de sujeito; b objeto de verbo; c adjunto adnominal de nome; d complemento nominal de nome; e predicativo do objeto do objeto; f orao principal da subordinada substantiva desde que esta no seja apositiva nem aparea na ordem inversa A vrgula no interior da orao utilizada nas seguintes situaes: a separar o vocativo.

Exemplo: Maria, traga-me uma xcara de caf. Obrigado pela dica. Conheço as duas empresas, e muitos concurseiros citam as mesmas como as melhorea em ofererecer material e cursos ótimos. Me ajudou a nao gastar dinheiro com umas apostilas de qualidade duvidosa. Que bom que este artigo te ajudou! O que você acha das apostilas da Nova Concursos? Concordo contigo! Obrigado pelas dicas de apostilas Guilherme! Olha, faz sentido, pelos materiais gratuitos deles parecem muito bons. Você indicaria outro?

Obrigada pelas dicas! Estou em busca de materiais gratuitos desses dois cursos, infelizmente, por nao ter condições financeiras, no momento, para investir. Mas o Alfacon também é um bom curso. Muitos erros grosseiros de português, orações mal construídas, citações erradas, com tipo penal inexistente e artigos revogados.

Linguagem empobrecida com construções frasais pouco coesas. Uma pena. Os materiais costumavam ser de excelência. Terei que buscar outras alternativas. Obrigado pelo seu depoimento! Tenho certeza que vai ajudar muita gente que pensa em baixar uma apostila da Vestcon.

Obrigado por ajudar! Atualmente estudo pelo material do estratégia, mas acho ele muito grande por ser bem completo. Para mim, ele é o melhor em material PDF e preciso renovar todo o meu material. Bom dia!

Preciso fazer estudar pro concurso da Adaf, tem muita apostila disponível mas, nenhuma delas é da estratégia concursos ou gran curso. Qual das duas você indica, quero uma luz para poder mandar imprimir porque a leitura se torna melhor ao invés de PDF.

Deus o abençoe. Guilherme, bom dia. Eu tenho material do estratégia, mas como vc pontuou, ele é genérico. Queria saber qual cursinho vc indica, que tenha material específico do concurso ou da banca? Estou procurando no momento material específico par Delegado de Polícia Civil, o material do estratégia tem questões voltadas para nível médio e poucas questões para o cargo.

O que posso fazer? Você viu que o Estratégia tem cursos específicos para Delegado? E a primeira aula de cada matéria fica disponível gratuitamente. Dê uma olhada e veja se te agrada. Boa tarde! Preciso estudar para o DPE-RJ nível médio, e vi que tem nos dois sites que indicou, achei os preços bem salgados, entendo que é um investimento e tal, mas achei puxado o valor. No Degrau Cultural tem e achei muito mais barato. A suíte Office traz aplicativos para serem baixados na nuvem, com o pagamento de uma assinatura.

É o que a Microsoft chama de Office on Demand. Sensível ao toque - O Office teve sua interface refeita para responder melhor a comandos por toque. Movi- mentos dos dedos como a pinça ou o zoom também funcionam em outros aplicativos do pacote. O programa permite fa- zer notas com os dedos ou com uma caneta stylus. Os arquivos ficam guardados ou podem ser transforma- dos em extensões de texto, por exemplo, acessíveis no Word.

Importante ressaltar que as funções só funcio- nam com monitores sensíveis ao toque. Quanto à interface, o Office segue o Windows 8 na sua interface.