3deko.info

Olá, meu nome é Pablo e criei este blog para ajudar os estudantes portugueses a estudar. Carrego milhares de arquivos úteis toda semana

BAIXAR A MONTANHA ROBERTO CARLOS KRAFTA


Roberto carlos a montanha palco mp3, Roberto carlos a montanha 4shared, ouvir musica Roberto Free Download Roberto Carlos Jesus Cristo MP3, Size: 9. Músicas do Roberto Carlos Grátis - Faça download das melhores A imagem pode conter: montanha, texto, atividades ao ar livre e natureza. Curtir. Buscador,downloads gratis de mp3,baixar musicas gratis krafta info. Baixar musica Roberto Carlos Montanha - krafta Roberto Carlos Montanha, ouvir Roberto Carlos Montanha, palco mp3 Roberto Carlos Montanha, Baixe.

Nome: a montanha roberto carlos krafta
Formato:ZIP-Arquivar
Sistemas operacionais: MacOS. Android. iOS. Windows XP/7/10.
Licença:Somente uso pessoal
Tamanho do arquivo:45.47 Megabytes

A KRAFTA ROBERTO CARLOS BAIXAR MONTANHA

Sem voltas, muito facil, gostei muito. Primeiro, e mais impor- tante, a proposio de que a transformao da cidade pode se dar por ra- zes independentes da demanda. Ministrosdaalegria2 - Contei os dias Pregador Luo Part. Orientador: Vera Regina Tângari. Coup, um jogo para mentir sem remorso - TaxiCafé. Regional World. Logical Investigations. Isso consistente com Von Thunen. Until now it looks like the laser cut is easy for all students assimilation and it is relatively cheap than the others digital fabrication technologies. Um tecido urbano composto dessa maneira tem um padro, revelado pela sua regularidade. Raul Seixas adquiriu um estilo musical que o creditou de "contestador e místico", e isso se deve aos ideais que vindicou, como a Sociedade Alternativa..

Músicas do Roberto Carlos Grátis - Faça download das melhores A imagem pode conter: montanha, texto, atividades ao ar livre e natureza. Curtir. Buscador,downloads gratis de mp3,baixar musicas gratis krafta info. Baixar musica Roberto Carlos Montanha - krafta Roberto Carlos Montanha, ouvir Roberto Carlos Montanha, palco mp3 Roberto Carlos Montanha, Baixe. Roberto Carlos - Amor sem Limites - YouTube Amor É Assim, Renato, . Para baixar, ouvir ou baixar esse álbum, clique nos links abaixo. .. Melim - Meu Abrigo (Versão Acústica) - Melim Casacos Para Montanha Russa KRAFTA MP3. Baixar: Roberto carlos a montanha mp3 donwload! Roberto carlos a montanha palco mp3, Roberto carlos a montanha 4shared, ouvir musica Roberto carlos a. Baixar música Musica A Montanha De Roberto Carlos - krafta Musica A Montanha De Roberto Carlos, ouvir Musica A Montanha De Roberto Carlos, baixar.

Graficamente, poderia ser. Objeto no sentido bachelariano do termo. Neste artigo, desejo apresentar a amabilidade como uma nova forma de compreender o espaço, demonstrando a sua dependência do contexto urbano.

O estímulo pode ser outra pessoa, um grupo, um objeto, uma visada Quando trata da experiência corporal na cidade, Sennett Em dado momento, o autor pergunta Segundo Shaftoe Sua proposta é que se criem plataformas elevadas em praças ou passeios, onde artistas ou grupos de pessoas possam se juntar para cantar ou dançar gratuitamente.

Em texto posterior, Choay passa a defini-la como o ajuste recíproco de uma forma de tecido urbano com uma forma de convivência. Muitos autores a utilizam com as primeiras acepções de Choay, como Coutinho M. Tanto a cordialidade quanto a amabilidade se alinham com o desejo de se estabelecer intimidade. Segundo ele, é antiquado definir a urbanidade como qualidade social ou como código de bons costumes que configuram um comportamento civilizado.

Desde o alto, eles podem interagir com os voyeurs, conversando e respondendo a perguntas Em uma das esquinas ao redor do Mercado de Sant Antoni, em Barcelona, a cada domingo um grupo de pessoas, cuja predominância é de crianças, se encontra para trocar figurinhas. É uma atividade espontânea que lota o reduzido espaço da esquina e propicia uma rede de conexões totalmente diferente das habituais.

Uma horda de turistas e transeuntes se acumula ao redor das rodas para participar, inclusive ensaiando alguns passos a exemplo dos profissionais. Christo e Jeanne-Claude utilizam-se da premissa da efemeridade aliada à plasticidade e originalidade, que conferem à obra a relevância urbanística desejada, criando uma nova leitura do lugar, que atrai e se conecta com o passante. O título faz um trocadilho com as palavras parking estacionamento e park parque.

Segundo os autores, funcionam como uma verdadeira. New York: Oxford University Press, A Poética do Espaço. Martins Fontes, Bolle org. A cidade pelo avesso. Desafios do urbanismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Ed. Prourb, Ciudades Ocasionales. Barcelona: CCCB, GEHL, Jan. La humanización del espacio urbano.

La vida social entre los edificios. Barcelona: Editorial Reverté, Seguindo Fios Soltos: caminhos na pesquisa sobre Hélio Oiticica. Revista do Fórum Permanente. Disponível em www. In: Vitruvius. Arquitextos, ano 8, Morte e vida de grandes cidades.

O império do Efêmero. A moda e seu destino nas sociedades modernas. A Boa Forma da Cidade.

MONTANHA CARLOS KRAFTA A BAIXAR ROBERTO

Lisboa: Edições 70, Paris: Presses Universitaires de France, Mark eds. Llocs amb esdeveniments. Event Places. Barcelona: Universitat Politécnica de Catalunya, Da Totalidade ao Lugar. Carne e Pedra. Rio de Janeiro: Record, Convivial Urban Spaces, Creating effective public places.

London: Sterling, VA, In: De cosas urbanas. Barcelona, Editorial Gustavo Gili, Espaço Pessoal, As bases comportamentais de Projetos e Planejamentos.

New York: Project for Public Spaces, El artículo destaca sus principales aspectos, enfocando el periodo de preparación de la ciudad para los Juegos Olímpicos y propone su confrontación con los retos a ser vencidos por Rio de Janeiro con vistas a la realización de las Olimpiadas de The article highlights its main aspects, focusing on the period of the preparation of the city for the Olympic Games and makes its confrontation with the challenges to be overcome by the city of Rio de Janeiro in order to realize the Olympics Based on historical data and previous thoughts of other authors, intends to seek into the urban experience of the Catalan city references which can give some contribution to the discussions about current urban projects in the Brazilian cities that will be hosting mega sporting events in the coming years.

Introducción Mucho ya se ha hablado y se sigue hablando acerca de Barcelona. La ciudad es hoy uno de los destinos preferidos de turistas, estudiantes sobre todo de diseño y arquitectura y businessmen. Definitivamente, se trata de una ciudad cosmopolita y, no hay como negarlo, de completo éxito. Tanta exaltación no se configura como una exageración, ya que esa es la imagen deseada y ofrecida por los promotores de la ciudad que se exalta a sí misma.

Se puede afirmar que pocas ciudades rechazarían tantos atractivos y tanta proyección en el panorama mundial. Así, el presente ensayo se propone a destacar algunos de los principales aspectos de la configuración de dicho Modelo, enfocando específicamente el período de la preparación de los Juegos Olímpicos de Lo que dicen acerca del Modelo Barcelona Antes de todo, se hace necesario acordarse qué se entiende por Modelo Barcelona.

Pese a las distintas maneras de verlo y expresarlo, se percibe en las perspectivas presentadas la incorporación de las ideas de transformación urbanística de éxito, de modelo compartido de gestión económica, de profundos reflejos socioeconómicos, entre muchas otras menos explícitas.

De hecho, el proceso de transformación física por el que pasó Barcelona a partir de finales de los años 70 engendra una compleja red de elementos y matices, empezando por las distintas fases que en él se pueden identificar.

Periodo de preparación para la celebración de las Olimpíadas. Período de crisis postolímpica, con la desaceleración de la actividad económica, sobre todo en los sectores de vinculados al turismo. Sus tres años de gestión fueron marcados por un fuerte deseo generalizado de democratización, de transformación social y reconocimiento de derechos. La ciudadanía clamaba por una ciudad que reflejara su nueva condición y que trajera nuevos aires a sus calles, tan maltratadas en los años de represión.

En la visión de Bohigas lo que la ciudad necesitaba era de obras de higienización en el centro y de monumentalización en la periferia; su filosofía interventora rechazaba la macroplanificación e, incluso, pasó por encima de muchas determinaciones del Plano General Metropolitano - PGM, instrumento de planeamiento vigente desde En este periodo se realizaron las primeras acciones de esponjamiento en la densa trama de la Ciutat Vella y una gran cantidad de intervenciones en la periferia, en dimensiones sin precedentes.

El mobiliario de diseño toma lugar en la plaza, imponiéndose, con frecuencia, sobre el usuario. De manera que, antes de dejar el cargo, en y, por lo tanto, 10 años antes de los juegos , Serra ya tenía sobre su mesa un documento formulado por Romà Cuyàs y equipo en el cual se analizaba qué faltaba a la ciudad para que se hiciera posible la organización de unas Olimpíadas.

Si hubiéramos empezado a trabajar en , o incluso en , cuando nos fueron concedidos, el rendimiento hubiera sido otro. La ciudad no habría rentabilizado la ocasión histórica para resolver sus desequilibrios.

En términos administrativos, la gestión de Serra también fue marcada por la descentralización, a partir de la división de la ciudad en diez distritos, lo que ha proporcionado una mayor eficacia en la atención a los barrios, sobre todo a aquellos periféricos. La llegada de Pasqual Maragall a la alcaldía, en , supuso un cambio en la dirección que Bohigas venía dando a las intervenciones urbanísticas.

Al dejar el departamento de Servicios de Urbanismo, por libre voluntad, cedió su lugar a Josep Acebillo, también miembro de su equipo. Con Acebillo y con las perspectivas de la candidatura para las Olimpíadas se inaugura un momento en que la ciudad pasa a ser pensada en otra escala. Rumbo a la Barcelona Olímpica Aunque la designación oficial de la ciudad sede de los Juegos Olímpicos de tuvo lugar en diciembre de , desde mucho antes Barcelona ya había empezado a encarar los grandes proyectos, concursos y obras.

Se trataba de un momento de crisis del sector industrial y, por lo tanto, de limitaciones económicas, acompañadas por una necesidad de superar el viejo modelo de ciudad industrial en franco declive.

Hasta entonces se había capitalizado el orgullo de los habitantes de la ciudad, que se veían identificados con la transformación que se hacía evidente, reflejando sus ideales de modernidad y democracia, lo que hizo posible la creación de un consenso entre las voluntades política y ciudadana.

Esta nueva manera de pensar y actuar sobre la ciudad, tiene su base oficial en el primer Plan Estratégico de Barcelona, iniciado en y aprobado por el Consejo General en marzo de Con el planeamiento estratégico se adopta la concepción de gestión urbana definida como empresariamento urbano, cuya premisa apunta hacia la inserción competitiva en el mercado mundial, la cual prescinde de una acción coordinada y colaborativa del gobierno local junto al sector privado.

Este nuevo barrio residencial, construido para albergar a 15mil atletas, en el periodo postolímpico sería devuelto a la ciudad como un barrio moderno dedicado a las clases medias, que, antes mismo de su inauguración, ya se agitaban frenéticamente para adquirir su unidad. La Villa Olímpica es solamente uno de los ejemplos en que los intereses privados se hicieron prioritarios a la hora de definir sus características inmobiliarias.

El discurso de la construcción de un barrio nuevo ya no dejaba margen ninguna a la idea de revitalización del barrio industrial, que ha sido completamente arrasado para dar paso a la modernidad. La insalubridad y la pobreza, o sea la degradación física y social que ahí se hacían presentes, diseminaba una pésima reputación, llena de perjuicios a esta zona tan importante de la ciudad. En medio de las conspiraciones de la ciudad olímpica en construcción, la Ciutat Vella se convierte en importante punto de convergencia de intereses, sobre todo turísticos.

La política de viviendas ahora se ve impulsada por el ya conocido potencial agregativo de equipamientos culturales de los centros históricos. Como parte de una cultura de control, de intervenciones urbanísticas y de repoblación humana, el Ayuntamiento de Barcelona apuesta por la gentrificación del barrio como solución para la transformación de su imagen y su resignificación en el imaginario urbano. He ahí un nuevo ingrediente del modelo Barcelona: el proceso inexorable de ilegalización de la pobreza.

Como consecuencia, ha provocado una elevación de los alquileres de manera que la función residencial se ha ido alejando paulatinamente de ellas, como ha pasado con Paseo de Gracia, donde muchas de las edificaciones se destinan al uso de visitantes de paso.

A KRAFTA BAIXAR CARLOS MONTANHA ROBERTO

De una manera general, la conversión de la ciudad en un polo de terciario de cultura, turismo y negocios tiene el inconveniente de provocar una disminución en la población residente, por encarecimiento del coste de vida en la gran ciudad, a ejemplo de grandes metrópolis como Nueva York, Londres, París. La creación, en , del Centro Iberoamericano de Desarrollo Estratégico Urbano - CIDEU inaugura un momento de explícito deseo de multiplicar el éxito de la experiencia barcelonesa por otros territorios, en especial en Latinoamérica.

La institución, creada con el objetivo de difundir la metodología de planificación estratégica y facilitar el intercambio de proyectos, promovió asociaciones con casi 60 ciudades latinoamericanas, ofreciendo el aporte de una consultoría internacional especializada predispuesta a vender el modelo Barcelona en tierras lejanas.

La alcaldía de Rio de Janeiro, tras una visita a Barcelona, decide poner en marcha asociaciones con instituciones privadas con vistas a la elaboración de su plan estratégico, cuyo proceso tuvo inicio en , siendo concluido en Despolitizado e despolitizador, ele constrói o consenso porque o supõe como instaurado previamente.

Siguiendo los consejos de su compañera catalana, entre los proyectos derivados del PECRJ, figuraba la candidatura de Rio a los Juegos Olímpicos de , cuya derrota fue bien consolada con la posterior elección para albergar los Juegos Pan-americanos de De una manera general, la evaluación de algunos expertos brasileños en planificación urbana es que la receta barcelonesa no se ha mostrado de todo adecuado a realidad de las ciudades brasileñas.

De hecho, al observar atentamente el proceso que dio lugar a la formulación del modelo Barcelona, la primera pregunta que se le ocurre a uno es acerca de la validez de su reproductibilidad. A los retos de la ciudad Olímpica se sumaba un exacerbado deseo de modernidad, traducido en obras de gran impacto, capaces de transformar completamente la imagen de la ciudad y en total acuerdo con las reglas del juego del la mercadotecnia urbana.

Ese imperativo tiene una clara implicación; significa que no hay modelos generales. La realización de los JJOO - así como la Exposición Universal de , La Exposición Internacional de , el Fórum de las Culturas de - se constituyó como un medio para alcanzar las transformaciones ya idealizadas en líneas generales desde fines de la década de 70, por Narcís Serra, dando seguimiento a una tradición local de aprovecharse de grandes eventos para renovarse.

Algunos espacios creados o reformados en esta ocasión, como la Plaza de la Mercè, el Parque del Escorxador, la Plaza Real, entre muchos otros, incluso en las zonas periféricas de la ciudad, tuvieron un papel muy relevante en la relación de la ciudadanía con el espacio urbano. La intervención en la montaña de Montjüic respondió a un deseo de recuperar este importante pulmón de la ciudad y arreglar las zonas que quedaron por urbanizar en las intervenciones hechas en la ocasión de la Exposición de De una u otra manera, la zonificación propuesta para la ciudad olímpica y la infraestructura construida respondieron a demandas de la ciudad como un todo.

El mayor legado para la ciudad fue, sin dudas, en espacios urbanizados, plazas, parques y playa. La construcción de la ciudad olímpica prescinde de la atracción del capital privado, a quien se acostumbra ofrecer las mejores fracciones urbanas y también aquellas a las cuales se quiere controlar a cualquier coste. Las obras de esponjamiento del centro antiguo, sobre todo del barrio del Raval, viene agregando una variada gama de equipamientos culturales - museos, centros de cultura, universidades y, dentro de poco tiempo, la nueva Filmoteca de Catalunya - haciendo del barrio un importante polo cultural en la ciudad.

La ya conocida estrategia de creación de nuevos imaginarios para la regeneración de espacios urbanos, aquí viene acompañada de desalojos, demoliciones y gentrificación travestidos bajo un falso discurso de participación social.

El centro de la ciudad, vaciado de su ciudadanía pero repleto de usuarios casuales de corto y medio plazo, se convierte en una contradictoria tierra de nadie. El aprendizaje que Rio de Janeiro puede obtener de la experiencia de Barcelona depende, en parte, de la lente que se elija usar, de acuerdo con los aspectos que se deseen enfocar.

Asume dedicar gran parte de la ciudad a los agentes que le promueven, en detrimento de su ciudadanía. Obviamente, un recorrido por el proceso de desarrollo del modelo Barcelona y sus consecuencias solo se hace posible, precisamente, por ya ser parte de la historia. Mientras el proceso de transformación de la ciudad industrial en ciudad mundial estaba en marcha, mucho se podía especular respecto a ella, pero sólo la experiencia permite hacer una evaluación de lo que ha pasado y alimentar el ciclo, en la medida en que permite apuntar para los caminos del porvenir.

Barcelona: del modelo a la marca. El Modelo Barcelona: un examen crítico. Barcelona: Ediciones del Serbal, Las limitaciones del modelo Barcelona.

La ciudad Mentirosa. Barcelona: Catarata, Alteridades, vol. Barcelona, ciutat oberta: transformacions urbanes, participación ciudadana i cultures de control al barri del Raval. La evolución del modelo Barcelona Urbanismo en el siglo XXI. Barcelona: UPC, , p. MOIX, Llàtzer. La ciudad de los Arquitectos. Barcelona: Anagrama, Paisajes comunes, lugares globales. Barcelona: Gustavo Gili, Os liberais também fazem planejamento urbano? Desmanchando consensos.

Petrópolis: Vozes, , p. Abstract This paper presents partial results of wide research over buildings and sustainable cities. The latter evaluates sustainability in projects adapted to Brazil and launched in These projects stimulate discussion and interest by and of architects, urban designers, engineers and other professionals involved with design and building of social housing and will also stimulate research together with putting to use technical and scientific knowledge.

All this would be undertaken in favour of a good architecture that would positively respond to space demands and social, environmental, economical, cultural and political requirements that are attributed to sustainable buildings and cities. The partial results of this will be detailed in the follow-up research.

The results will furnish elements for new design processes in the teaching, research and practice of architecture and urban design.

Tabela 1 — Déficit habitacional no Brasil. Antes da mudança de método, o déficit era estimado em 7. Daí a importância de o governo equacionar esse déficit de habitações para a faixa de menor renda familiar, ou menor poder aquisitivo. O mesmo ocorre em outras grandes cidades, como no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte. A8 Nacional. A11 Internacional. As construções das casas seriam em madeira, painéis de energia solar e caldeiras que utilizam combustível de biomassa.

O projeto é de autoria do escritório O monitoramento dos itens indicados em projeto é realizado durante as medições mensais da Caixa e outras vistorias, o que auxilia na garantia de atendimento aos quesitos propostos pelo empreendedor. Acesso em 14 abr. Ministério das Cidades. Conselho Curador do Fundo de Desenvolvimento Social. Minha casa Minha Vida.

Disponível em: www. Déficit Habitacional no Brasil. Brasília: Centro de Estatística e Informações, Minha Casa Minha Vida tem aumento nos valores dos imóveis. Notícia de 02 fev. Acesso em 12 abr. Brasília, 20 dez Brasília, 01 mar. Acesso em: 12 abr. Brasília, Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Relatório de Monitoramento. TC Acesso em: 27 maio Minha Casa Minha Vida. Moradia para as famílias Renda para os trabalhadores Desenvolvimento para o Brasil. PDF Aceso em: 12 abr.

Acesso em: abril de Jornal O Globo. Economia, 14 mai. Urbanista critica planejamento do pacote habitacional. Para ter imóvel do Minha Casa, famílias deixam emprego e diminuem a renda. Projeto tropeça nos preços altos dos terrenos. H18 Especial. Déficit habitacional no Brasil.

Krafta (2014) Notas de Aula de Morfologia Urbana

Relatório de Pesquisa. Belo Horizonte, Brasília: IBGE, LIMA, Mauricio. Rio de Janeiro, As armadilhas do pacote habitacional. Candido Malta Campos Neto. Your participation is embedded in an international context in which important changes occur in both the urban international network and the dimension of urbanism.

IFRR | Pearltrees

Joseph Bouvard made plans for both cities, and in this article we will conduct a joint analysis of both plans in order to identify meanings that may emerge from the text and that can widen knowledge about urban change in the period.

Tanto os grupos Dada a grande disparidade regional que se estabelece 2. La progettazione urbana in Europa. A primeira viagem ocorre em , e dois anos depois é apresentado o resultado final, intitulado Nuevo Plano de la ciudad de Buenos Aires, publicado em Hoje existem apenas dois trechos de diagonais saindo da Praça de Maio, e uma das realizações de maior impacto de fato levada a cabo, a Avenida de Maio.

Nem sempre as propostas eram excludentes do ponto de vista urbanístico, às vezes elementos semelhantes eram usados para sustentar propostas opostas, que evidenciavam também disputas de poder. A bibliografia para este período em ambas as cidades é extensa. El plan Bouvard para Buenos Aires Algunos antecedentes.

Mas simultaneamente outro projeto é formulado, por iniciativa do executivo estadual, de autoria de Samuel das Neves. O projeto Freire-Guilhem previa este lado sem construções e ocupado por jardins.

Sua proposta é um meio-termo, parte jardins, parte construções. Desta empresa surgiram diversos bairros com características de cidade-jardim, como o pioneiro Jardim América. Sobre Buenos Aires diz Buenos Aires evoluciona y crece con una rapidez y una intensidad que llama la atención del mundo entero y de quienes la administran.

Las reglas del pasado, las disposiciones presentes se tornan insuficientes é ineficaces; ha llegado el momento de pensar en el porvenir. De esto se ha preocupado la Comisión del plano. Em Buenos Aires, de fato, é resultado de um trabalho de quase dois anos. Agradecemos particularmente, em Buenos Aires, a Alicia Novick e Julieta Perrotti Poggio, pesquisadoras que participam deste projeto, pelas informações sobre acervos e materiais disponíveis para subsidiar este trabalho. Pedro, mais tarde executado.

O projeto do Parque D. É necessario, numa palavra e no estado actual das coisas, enveredar pelas linhas convergentes ou envolventes conforme os casos.

Observamos em ambos os projetos que embora a abertura de diagonais fosse um dos pontos mais importantes das idéias de Bouvard, a realidade mostra que poucas foram efetivamente realizadas.

G — Os temas tratados em cada proposta diferem. Ainda assim Bouvard assinala quatro pontos principais: 1. Tese de doutoramento. El tiempo de los parques. Os rumos da cidade. Informe del arquitecto J. La grilla y el parque. Quilmes: Universidad Nacional de Quilmes, Buenos Aires. Evolución Histórica.

Buenos Aires: Editorial Escala, Buenos Aires memoria del porvenir. La ciudad, el urbanismo y los intercambios internacionales. Notas para la discusión. Revista Iberoamericana de Urbanismo, No 1, p. Cadernos do LAP 1. O relatorio do Sr. Junho de a maio de , p. História e Urbanismo. La polemica Bouvard-Jaeschke Buenos Aires Abstract This paper tries to discuss the meaning of precarious areas in the metropolises — within the existing debate on urban planning. In order to do that, the notion of paradigm in the social sciences is recovered and - from its formal presumed definitions - new directions are suggested towards discussing the meaning of non-planned areas.

Non-planned here is understood as areas that have not being submitted to rational land modifications. Having that in mind, a criticism on the performance of professionals in urban planning is presented — especially on planning that do not take into account the social, economical and cultural characteristics of certain groups of the metropolitan population.

O campo científico trabalha com esses elementos, especialmente o urbanismo e o planejamento urbano, que nos interessa mais de perto. Decorrem daí os déficits nas condições gerais de vida urbana, visíveis, sobretudo, nas nossas grandes cidades. Também aqui o paradigma do equilíbrio assegura sua hegemonia. Tais características. Na sociologia, temos, ao lado do modelo de equilíbrio, o evolucionismo e o funcionalismo; do lado do desequilíbrio, temos a sociologia dos conflitos, cujo principal representante é o marxismo, ou interacionismo que se refere ao estudo das interações entre atores que compõem o sistema.

Estamos insistindo na perspectiva segundo a qual nossas metrópoles formam ambientes heterogêneos em todas suas dimensões.

O Morro Vital Brazil situa-se nas proximidades de um dos locais mais valorizados da cidade, que é o bairro de Icaraí. O resultado é um território físico e social diversificado, determinando um ritmo cotidiano peculiar à cidade. Esse projeto se propõe a executar melhorias habitacionais através do apoio técnico arquitetos, engenheiros e assistentes sociais aos moradores que almejam pequenas intervenções em suas casas.

Seja por razões econômicas ou por outras de causas subjetivas e de mudanças na vida cotidiana casamento, nascimento etc. Ou mesmo o inverso, quando o segundo andar é vendido para outra família e com o dinheiro arrecadado é construído um terceiro andar a ser ocupado por membros da família do térreo. Esse exemplo nos remete ainda às discussões sobre modelos de cidade e de planejamento ao longo da história, resultado de debates envolvendo reflexões filosóficas, estéticas, urbanísticas e arquiteturais que teve seu auge nas propostas urbanísticas do modernismo.

Esse movimento moderno 7. O resultado é que a arquitetura e o planejamento urbano propuseram e conseguiram transformar em paradigmas urbanos um mundo segmentado, onde as atividades da cidade estariam cada uma em seu espaço próprio, e onde as interseções entre elas se submetiam a uma rígida racionalidade. Os planos urbanos representativos desse movimento se reflete sobretudo na proposta de Le Corbusieur, que prevê torres cercadas por grandes espaços verdes, ligados por autoestradas aéreas, com garagens subterrâneas e shoppings centers etc.

Curioso é que periodicamente os diferentes modelos de urbanismo sofrem críticas contundentes, ao lado de defensores também contundentes. Essa complexidade pode estar manifestando entre outras coisas, maneiras distintas de pensar a moradia, o bairro, a cidade, refletindo diferentes tipos de mentalidades, indiferentes aos princípios da lógica racional do espaço. No caso brasileiro, todas as tentativas de incorporar os padrões urbanísticos que fogem ao paradigma do equilíbrio terminaram fracassando.

Le modernisme dans la ville — de la rue à la rocade. S, , p. Rio de Janeiro: Elsevier, Death and life of great american cities. KEHL, Luis. Breve história das favelas. A estrutura das revoluções científicas.

Divided Cities? Rethinking the Ghetto in Light of the Brazilian Favela. Hutchison e B. Haynes Eds. Perseus Books no prelo. REMY, Jean. Georg Simmel: ville et modernité. Rio de Janeiro: Edit.

Record, A metrópole e a vida mental. In: O Fenômeno Urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editores, VAZ, Lilian. Conceito e categoria de cidades.

KRAFTA ROBERTO BAIXAR CARLOS MONTANHA A

Biologist, M. Resumo Este artigo apresenta uma metodologia de planejamento ambiental, para pequena e média escala, tendo como base os pressupostos estabelecidos no Decreto Federal 4. Palavras-chave: planejamento ambiental; zoneamento ecológico econômico; plano diretor municipal. Abstract This paper is intended to present an environmental planning methodology for small and medium scales based on the presuppositions set forth in Federal Decree No.

The compilation of social-economic data related to the determination of the potential and emerging environmental fragility, in addition to the legal regulations, renders possible the performance of an ecological-economic zoning considering abiotic, biotic, social and economic variables intended for the ordering and development of any given region. From this interdisciplinary point of view, the environmental planning precedes and supports the Brazilian municipalities upon the performance of their Master Plans, as its more comprehensive view of the set of variables of a territory for that specific municipality corrects any distortions and promotes the compatibilization between development and environmental conservation.

Keywords: environmental planning, ecological-economic zoning; urban planning; municipal master plans. Se, até a década de , planejar as cidades se resumia ao seu embelezamento e abertura de avenidas, a partir da década de , os problemas urbanos se agravariam por conta do crescente populacional.

Com efeito, a partir da década de , centenas de planos diretores começaram a ser elaborados no Brasil; só que, na maioria esmagadora das vezes, eram engavetados. Para Villaça , é neste ínterim que a ideia de caos urbano torna-se lugar-comum, associada à falta de planejamento. Esse conceito, introduzido no Relatório Brundtland, em , seria uma etapa preparatória para a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, que ficou conhecida como Eco 92, sediada na cidade do Rio de Janeiro.

Geralmente, o ZEE é executado segundo um fim; por exemplo, no bioma do pantanal, o ZEE é executado objetivando disciplinar o agronegócio, o mesmo ocorre na Amazônia Legal.

Pri — superfície de aplanamento retocada inumada, Pgm — superfície de aplanamento degradada inumada,. Dg1 — grosseira e profundidade do entalhamento fluvial pequena Dg2 — grosseira e profundidade do entalhamento fluvial média Dg3 — grosseira e profundidade do entalhamento fluvial grande Dm3 — média e profundidade do entalhamento fluvial grande. Dm1 — média e profundidade do entalhamento fluvial pequena Dm2 — média e profundidade do entalhamento fluvial média.

Df1 — fina e profundidade do entalhamento fluvial pequena Df2 — fina e profundidade do entalhamento fluvial média Df3 fina e profundidade do entalhamento fluvial grande. Figura 1: Dados extraídos parcialmente da legenda do mapa geomorfológico produzido pelo Radam Brasil. Latossolo vermelho-amarelo; Latossolo vermelho escuro, textura argilosa; Latossolo roxo e terra roxa, textura argilosa. Podzólicos vermelho-amarelo, textura média argilosa; Latossolo vermelho-amarelo, textura média argilosa.

Figura 2: Dados extraídos parcialmente da legenda do mapa exploratório de solos produzido pelo Radam Brasil. Através dessa leitura de síntese, pode-se avaliar o grau de fragilidade, de fraca a forte, daquela unidade de paisagem figura 3. Elaborado por Sérgio Bernardes da Silva. Particularmente, a ecologia da paisagem, que envolve os trabalhos de Carl Troll na década de e, posteriormente, os conceitos de Richard T.

Forman, Michael Godron e M. Turner, entre outros, permite compreender os padrões espaciais da paisagem e das escalas da paisagem.

The Clevers depois Os Incríveis

Tal ciência considera o desenvolvimento e a dinâmica da heterogeneidade espacial, as interações temporais e espaciais e trocas por meio de paisagens heterogêneas, as influências da heterogeneidade espacial nos processos bióticos e abióticos e o manejo da heterogeneidade espacial para o benefício e a sobrevivência da sociedade Odum, Barret, ; Risser et al.

Sob esta ótica, a paisagem pode ser vista como um mosaico composto por três elementos principais: as matrizes, as manchas e os corredores da paisagem. Um corredor da paisagem é uma faixa do ambiente que difere da matriz em ambos os lados e com frequência conecta, de forma natural ou planejada, duas ou mais manchas de paisagem de habitat similar ODUM; BARRET, Elaborado por Cristina Pereira de Araujo. Zona Z1. Permitir a conectividade de fragmentos e UCs.

Incentivo à agricultura familiar; 2. Pegue a sua moto, escolhe a pista e comece um incrível jogo de motocross! Desafio os limites das aventuras. Jogos de Motocross no Miniclip. E temos mais de 25 outros jogos Motocross a seu dispor! Um jogo de moto sem moto. Resultados da busca para motocross no Baixaki. Just one month ago the motocross world was still sympathetic to the heartbreak endured by Adam Cianciaruloat the end of the Monster Energy Supercross season.

Get rewards and baixar new bikes each having unique parameters in the fast and furious game Moto. Salte e faça lindas manobras, completando a volta no menor tempo possível sem cair da moto. Vença um super desafio no jogo de rally de moto cheio de.

Um jogo de moto que parece ter tirado alguns elementos de Grand Theft Auto. Jogos de Moto de Trilha: ponha suas habilidades de piloto de moto à prova, use a moto atv do sonic para completar a trilha e ajude o rapaz ninja a realizar manobras.

It' s a 3D game that simulates how it is to ride a Real dirt motocycle, In this race game you can freely ride your bike all around the desert roads! Cross deserts, winter forests, cities, and lots of other places. Você pode filtrar os resultados por sistema operacional, licença, downloads, data e nota. Para descrever essa distri- buio, Alonso sups cada famlia dispondo de um oramento dividido em trs partes fixas gastos com moradia, com transporte e com os demais itens necessrios , das quais as duas primeiras, destinadas a custear mo- radia e transporte seriam comunicantes, ou seja, embora tendo um total prefixado, poderiam ser dotadas em propores diferentes.

Com isso, cada famlia, dentro de seu oramento, poderia optar por alternativas que alo- cassem mais recursos para transporte e, consequentemente, menos para moradia, ou ao contrrio.

Opes que minimizam gastos com transporte so aquelas correspondentes a localizaes prximas ao centro de empre- gos, onde, ento, o custo de moradia proporcionalmente mais alto. Isso consistente com Von Thunen. Ocorre que num modelo geogrfico mono- cntrico, a disponibilidade de terra aumenta exponencialmente com a dis- tncia ao centro, ou a torna escassa prxima a ele e determina que a parcela de espao disponvel a cada famlia prximo ao centro seja menor do que.

Assim, o modelo de Alonso resulta em uma maior acumulao de unidades habitacionais menores prximas ao centro e um menor n- mero de unidades maiores longe dele, ou seja, um gradiente de densidade decrescente desde o centro at a periferia. Essa curva de densidade ficou conhecida como a forma geral da cidade e, com efeito, se aproxima de uma representao genrica do skyline de uma cidade monocntrica. Extrema- mente elegante e sofisticada, tal teoria parte de uma forma urbana pre- concebida a monocntrica , para revelar outros aspectos grandemente relevantes dessa mesma forma: o gradiente de intensidade de ocupao do solo, a distribuio das unidades residenciais, para no falar na estrutura de valor e renda da terra urbana, j adivinhada por Von Thunen.

Figura 5. Modelo de localizao residencial de Alonso; a curva expressa a densidade de moradores distribudos a partir do centro.

Essa curva conhecida como a forma geral da cidade. Alonso parte de um pressuposto, o de que haveria uma grande con- centrao de empregos no centro, consequentemente uma grande concen- trao edilcia, e, a partir dele, deduziu a distribuio provvel da popula- o de residentes, que tambm implica uma concentrao edilcia diferen- cial, correspondente ao que se v no grfico.

Com isso, a teoria da cidade monocntrica, j anteriormente induzida por observao emprica, ganha com Alonso uma deduo matemtica, derivada de argumentos econmi- cos, e com ela, uma forma tridimensional: uma base circular tendo uma altura mxima no centro e um decaimento no linear. Mais do que isso, ela observvel em- piricamente em muitas cidades.

A estrutura espacial das cidades comeava a ser desvendada, mas nem por isso a teoria de Alonso se viu livre de crticas. As principais, e que permitiram cincia avanar, foram as que apontavam as ausncias de materialidade e da flecha do tempo. Com efeito, a cidade nesse modelo imaterial, ou seja, as famlias alocam-se no espao urba- no polarizado pelo centro de empregos sem a mediao de uma estrutura fsica. Isso significa dizer que um eventual, mas provvel, crescimento de- mogrfico implicaria um contnuo acmulo de pessoas nas reas j ocu- padas, como se isso fosse possvel, para manter o gradiente.

Igualmente a ausncia de considerao do tempo no processo de alocao no permitia assumir nem o crescimento populacional, nem a alterao dos perfis de renda e, consequentente, de escolha locacional dos residentes. Anas props, ento, um novo modelo, no qual a materialidade da cidade estaria presente. No como varivel, mas como fator de restrio.

A ideia foi de conceber como perene a estrutura fsica os estoques resi- denciais edificados. Isso equivale a supor que um terreno, uma vez ocupa- do por uma edificao, permanece ocupado por ela indefinidamente. Com isso, a ocupao da cidade fixa permanentemente as taxas de ocupao dos terrenos e consequentemente as densidades da cidade. A outra inovao dessa teoria foi assumir que a populao cresce, assim como a renda das fa- mlias.

Com o crescimento demogrfico, a demanda por novas habitaes, combinada com o comprometimento das reas j ocupadas prximas ao centro, resulta num crescimento por anis sucessivos, os quais j no guar- dam mais o sentido global do gradiente de densidade, mas apenas podem reproduzi-lo localmente. A cada ciclo de crescimento, um novo anel acrescentado, possivelmente estruturado segundo um gradiente local de decrescimento da densidade.

O crescimento da renda das famlias, por sua vez, provocaria demanda por relocalizao. Deve ser lembrado que, no modelo original de Alonso, a localizao de cada famlia se dava segundo uma repartio do oramento domsti- co em trs componentes, sendo os dois destinados a transporte e moradia comunicveis.

Ora, com o crescimento da renda, essa parcela de recurso aumenta e permite famlia reconsiderar sua localizao e, eventualmente mover-se para a borda, onde a oferta de moradias inclui mais espao.

ROBERTO MONTANHA KRAFTA CARLOS A BAIXAR

Esse miolo pode, como geralmente ocorre, ser reocupado por no- vas famlias de renda compatvel com essa localizao. Com isso, por via dedutiva, se chega a uma forma geral da cidade semelhante da ecologia urbana, porm diferentemente composta. Anas no faz referncia ao cen- tro, que deveria crescer proporcionalmente populao e, possivelmente, renda. Dado o pressuposto do estoque perene seria possvel supor duas ocorrncias: o crescimento do centro sobre o anel adjacente, mediante a adaptao dos estoques edificados, convertidos ao uso no residencial, e o aparecimento de atividades produtivas fora do centro, configurando, en- to, o fenmeno da policentralidade.

Anas props um modelo de dinmica de crescimento residencial urba- no baseado na premissa de que o capital investido em estoques perene, de- rivando da um padro de crescimento perifrico, por sucessivos anis. Com isso, torna relativo o gradiente de densidade defendido por Alonso, medi- da que congela cada anel previamente produzido e permite que o prximo seja eventualmente mais denso do que os anteriores.

Este um modelo mais morfolgico do que o anterior, no sentido que considera a materialidade da cidade e, com ela, supe um crescimento sempre para fora, em anis con- cntricos. Essa concepo terica, entretanto, resulta em uma deteriorao e esvaziamento constantes das reas perifricas ao centro, causado por evaso da populao, reocupao por extratos mais pobres, nova evaso, etc.

Completando a trajetria dessa famlia de modelos, Wheaton prope flexibilizar o pressuposto da perenidade dos estoques, assumindo. Figura 6. Modelo espacial de Anas que considera o estoque edificado urbano permanente, o que faz com que o crescimento ocorra na forma de anis concntricos. O aumento da renda faz com que moradores dos anis mais internos os abandonem por alternativas na periferia, criando oferta de espao prximo ao centro para imigrantes pobres ou simplesmente tornando esse espao redundante.

Com isso, abre a possibili- dade da sua substituio. A contribuio mais interessante desta teoria a que aponta para a possibilidade de considerar a produo da cidade a par- tir de uma perspectiva da chamada atividade de busca de lucro. As teorias urbanas at ento eram orientadas pela demanda, ou seja, algum processo de natureza social ou operacional toma lugar e, ao longo de seu desenvol- vimento, demanda, por alguma razo, espao adaptado.

Dessa demanda, surge a cidade, ou seu crescimento. Wheaton primeiro considera que os estoques edificados podem ser substitudos, mas para que haja um vetor que leve substituio foi necessrio supor justamente que dela resulte um aumento de renda imobiliria. Um imvel urbano, no momento de sua produo, supostamente produz a mxima renda imobiliria possvel; entretanto, com o passar do tempo, devido ao crescimento urbano e ao envelhecimento da edificao, tem essa produo diminuda.

Em sentido oposto, o stio em que est localizado, pelas mesmas razes, tem seu poten- cial de gerao de renda imobiliria aumentado. Proprietrios de imveis urbanos experimentam, dessa maneira, uma crescente contradio entre renda real e expectativa de renda incidentes sobre cada imvel. Mesmo considerando que uma edificao, mesmo velha, constitui um certo capital fixo aprecivel, chegar um momento em que a diferena entre expectativa e renda real comportar a eventual destruio desse capital fixo e sua subs- tituio por outro, na forma de uma nova edificao.

CARLOS MONTANHA BAIXAR KRAFTA ROBERTO A

Wheaton desenvolveu uma equao de desequilbrio econmico ba- seada em renda real e esperada, assim como destruio de capital fixo; esse desequilbrio se acentua com o tempo e propicia a renovao interna da cidade.

O autor estimou, para as condies do mercado imobilirio ameri- cano da poca, quais seriam os parmetros para um novo equilbrio fosse obtido e concluiu que, para a substituio de um imvel por outro do mes- mo uso, o valor unitrio do novo deveria ser da ordem de trs vezes supe- rior ao do velho, enquanto na substituio por outro imvel do mesmo valor unitrio, a densidade deveria aumentar sete vezes.

A teoria do estoque durvel, porm renovvel, de Wheaton tem im- portantes derivaes para a morfologia urbana. Primeiro, e mais impor- tante, a proposio de que a transformao da cidade pode se dar por ra- zes independentes da demanda.

Desse ponto de vista, a cidade passa a ser um campo de oportunidade de investimentos imobilirios e sua morfolo- gia pode mudar em funo dela prpria. Wheaton permite supor que con- dies particulares da forma urbana, em localizaes particulares, podem. Nada disso foi dito por Wheaton, que preferiu explorar um outro aspecto, tambm importante para a morfologia urba- na, a dos vazios urbanos.

Sua teoria sugere que, considerando um tempo suficientemente longo, a existncia e manuteno de vazios no interior da cidade beneficia seu desenvolvimento.

Descontinuidade, ento, seria uma caracterstica positiva da forma urbana. O segundo ponto de interesse tra- zido por Wheaton o da densidade desalinhada. Com efeito, consideran- do a possibilidade de redesenvolvimento de reas intraurbanas e, confor- me sua demonstrao, um redesenvolvimento comumente consideravel- mente mais denso do que a ocupao original, o gradiente de decaimento no linear da densidade, clssico de Alonso, tende a ser subvertido com o aparecimento de ilhas de maior densidade em trechos do tecido urbano no necessariamente centrais.

O terceiro ponto de interesse desta teoria a possibilidade da policentralidade, tambm propiciada pelo redesenvol- vimento de reas degradadas, as quais, para serem objeto de reconstruo, podem mudar de uso, trocando usos residenciais por comerciais ou inten- sificando usos comerciais originais.

Aqui finalmente a dinmica espacial terica proposta inclui a possibili- dade da destruio criativa, ou seja, a eventual demolio e reconstruo de partes da cidade. Essa possibilidade introduz uma quebra da monocentrali- dade, visto que da destruio criativa emergem novas estruturas edificadas, necessariamente maiores e mais densas do que as suas predecessoras.

Figura 7. Modelo espacial de Wheaton, que considera o estoque edificado urbano durvel, porm substituvel, o que faz com que o crescimento da populao e da renda provoque expanso urbana na periferia, na forma de anis concntricos, durante algum tempo, mas tambm oportunize a substituio de edificaes velhas por novas.

Estas traro novos padres e ocupao e uso do solo para as reas renovadas. Partem do mais famoso modelo geogrfico regional, que tem um forte com- ponente morfolgico, por assim dizer, a chamada Teoria do Lugar Central, de Christaller e Lsch Berry, , que sugere a existncia de um sistema de cidades hierarquizado segundo o grau de complexidade dos servios oferta- dos em cada uma das cidades do sistema. Assim, haveria uma quantidade de cidades pequenas, com baixo grau de complexidade, servindo populaes locais urbanas e rurais quanto a servios cotidianos; uma quantidade menor de cidades maiores, servindo sua prpria populao servios cotidianos e a esta; bem como um certo nmero de cidades pequenas, com servios mais sofisticados; uma quantidade ainda menor de cidades maiores, por- tando servios ainda mais especializados, etc.

Esse sistema de cidades cobri- ria um territrio, ocupando posies equidistantes e hierarquizadas, isto , uma rede de cidades pequenas a uma distncia d uma da outra, superposta e coincidente a uma rede de cidades mdias distando xd uma da outra, su- perposta e coincidente a uma rede de cidades grandes distando yd uma da outra, e ainda uma cidade ainda maior no centro.

Fujita e Mori lembram que a teoria do lugar central no explica como esse sistema de cidades formado e sugerem um processo evolutivo que possa, a partir de uma nica cidade, formar um sistema de cidades. Sua concluso que o resultado terico dessa evoluo perfeitamente com- patvel com a teoria do lugar central.

Sua teoria baseia-se na tenso criada por duas foras simultneas agindo no desenvolvimento urbano, chama- das de fora de aglomerao e de disperso. A fora de aglomerao seria gerada pela variedade de produtos manufaturados indstria e comrcio , enquanto a de disperso corresponderia aos custos de transporte envolvi- dos no comrcio de produtos manufaturados e agrcolas entre cidades e suas reas de domnio.

A evoluo se daria a partir de uma nica cidade, que concentraria a produo de manufaturados, bem como o comrcio destes e de produtos agrcolas. Essa condio monopolista faz com que a renda mdia urbana seja maior do que a agrcola e a cidade atraia novos habitantes, cresa e estimule a regio ao ser redor a expandir. Esse cres- cimento, entretanto no infinito, j que a regio polarizada pela cidade, ao se expandir, se torna crescentemente atrativa para indstrias, ou seja, haveria um nvel crtico de populao que, uma vez atingido, tornaria o sistema monocntrico instvel.

Ao redor desse ponto, a relocao de uma indstria, da cidade para algum ponto no interior, desencadearia uma. Dado que a cidade antiga permanece, o crescimento da nova se daria at o ponto em que ambas atingissem igual tamanho, a partir do que o processo de criao de novas cidades continu- aria. Ao longo do processo, as cidades mais antigas, ao sofrerem processo de desaglomerao, se especializam, criando uma hierarquia urbana dada pela complexidade dos servios.

Essa especializao, por sua vez, permi- tiria s cidades mais antigas continuarem crescendo para alm do ponto crtico que, no passado, causou a bifurcao. As implicaes desta teoria para a morfologia urbana so relevantes ao sugerirem um processo evolutivo que inclui perodos obrigatrios de crescimento, de estagnao e de redefinio de funes e atividades que conduzem a mudanas qualitativas e a um maior crescimento.

Durante o perodo inicial de crescimento, a probabilidade de o desenvolvimento se- guir um modelo monocntrico, que persistiria, deteriorando-se, no pero- do seguinte, de desaglomerao.

A partir da abririam-se as possibilidades de reconverso de reas existentes internas da cidade, criando policentra- lidade e movimentos populacionais, tais como periferizao e disperso, bem como o seu contrrio, a recentralizao e gentrificao. Uma outra maneira de tratar a forma urbana como elemento lateral do processo urbano t-la como um dado do problema. Em situaes em que os fenmenos em estudo so de curta durao, como, por exemplo, o trfego, ou a escolha de localizao residencial, a forma urbana tomada como um cenrio fixo e se comporta como um condicionante.

A representao des- tas, em contrapartida, tambm no objetivam descrever e muito menos explanar essa morfologia em termos de seus elementos constitutivos, sua estrutura interna e seu processo de transformao.

So, assim, indepen- dentes. O exemplo mais celebrado desse tipo de abordagem a denomi- nada interao espacial. Essa atratividade se manifestaria na forma de fluxos de pessoas entre ambas. Com isso, zonas contendo empregos e residncias gerariam fluxos proporcionais quantidade de empregos e re- sidentes entre elas, os quais seriam tanto maiores quanto mais prximas s zonas complementares estejam localizadas. Nesses casos, no h pressuposio de qualquer caracterstica de for- ma ou hierarquia, apenas a constatao das distribuies espaciais de ati- vidades complementares e das distncias havidas entre cada par de zonas considerado.

Os parmetros assumidos para essas variveis, entretanto, so relacionados forma urbana existente, tanto no que diz respeito sua capacidade de conter atividades relevantes para o sistema de fluxos, quan- to s distncias entre as zonas dadas pela forma do espao pblico.

Por fim, mas igualmente interessante o tratamento da forma urbana dado pelo urbanismo. Para isso, importante estabelecer uma diferencia- o bsica entre morfologia e urbanismo, a qual bem poderia ser a existen- te entre a descrio da realidade urbana tal qual ela , e a representao da realidade tal como deveria ser, na viso do urbanista. Em outras palavras, enquanto morfologia se refere ao estudo da cidade, urbanismo se refere ao s projeto s de sua mudana. O morfologista examina a cidade no seu passado e presente em busca de chaves que lhe permitam entender os pa- dres de desenvolvimento e, quem sabe, antecipar aspectos de seu futuro; o urbanista examina-a no seu passado e presente em busca de referncias qualidades e defeitos que lhe permitam moldar seu melhor futuro.

As- sim, examinar a relao entre forma urbana e urbanismo equivale a re- lacionar cidade e projeto, no qual a forma urbana resultaria de decises projetuais e sua qualidade estaria na razo direta da sua integralidade.

Projeto, segundo sua conceituao mais comum, envolve efetivamente a prescrio de uma forma, seja ela estabelecida diretamente por meio da definio geomtrica dos objetos tridimensionais e ainda sua distribuio relativa sobre o terreno, seja indiretamente atravs de cdigos de ocupao do solo. Comum a ambas so os atributos de unidade, controle e ordem. Unidade, controle e ordem da forma urbana, em um projeto, seriam ne- cessrios medida que as vrias partes da cidade teriam propsitos fun- cionais e simblicos especficos e complementares.

Esses atributos podem ser vistos com mais facilidade, dado o seu esquematismo, no Plano Piloto de Braslia, obviamente, mas tambm esto subjacentes em muitos outros projetos urbanos, de Barcelona a Washington.

Tambm esto subjacentes nos planos diretores das muitas cidades brasileiras. Mais uma vez, Braslia exemplar, ao seguir uma prescrio morfolgica extremamente rgida no Plano Pilo- to, e paralelamente sofrer um processo de crescimento perifrico intenso que descumpre as intenes do projeto original uma a uma. Cidades com esquemas organizativos espaciais genricos tm alcanado mais sucesso na manuteno de uma morfologia capaz de evoluir e se adaptar s novas demandas.

Cidades que no se desenvolvem a partir de um projeto origi- nal global no so, entretanto, cidades-sem-projeto, ao contrrio, est cla- ro que toda adio a uma cidade, por menor que seja, feita segundo um projeto, mesmo informal, que inclui objetivos, seleo de meios, escolhas e estratgias de implementao e uso especficos.

Pode-se mesmo dizer que uma caracterstica bsica dessas cidades, se comparadas quelas decorren- tes de projetos globais, o excesso de projeto, e no sua falta.

O chama- do caos urbano, ou a desordem urbana, decorre justamente do excesso de projetos locais, nos quais cada agente desenvolve sua prpria estratgia de adaptao da cidade a seus prprios desgnios, geralmente gerando exter- nalidades aos demais. Um plano, ou um projeto, como o concebemos, fun- ciona, em primeiro lugar, como limitador da liberdade individual desses agentes, forando a convergncia de muitas de suas aes. Projetos e planos tm se mostrado mais bem sucedidos na sua conver- gncia espacial do que temporal, ou seja, durante algum tempo, geralmente curto, eles conseguem tornar convergentes as aes de muitos agentes em de- terminadas zonas urbanas, fazendo emergir padres morfolgicos de maior ou menor amplitude.

Com o passar do tempo, essa convergncia formal tende a perder consistncia. Padro morfolgico, entretanto, no emerge primeira- mente como decorrncia de projetos ou planos, e sim da interao entre agen- tes urbanos a partir de interesses comuns. Interesses comuns a muitos agentes urbanos funcionam como planos ou projetos informais ao provocar conver- gncia nas suas aes de transformao espacial. Planos e projetos formais e informais tensionam permanentemente a evoluo das cidades, constituindo processos fundamentalmente diferenciados por sua orientao de-cima-para- -baixo e de-baixo-para-cima.

Ambos so relevantes na evoluo urbana e re- presentam, antes de um antagonismo, uma alternncia. A dinmica espacial a que toda cidade est submetida sugere uma relao fraca entre forma urbana e projeto. Isso indica que nenhum pro-. Por outro lado, projetos urbanos, inde- pendentemente de sua abrangncia, uma vez implantados, so duradouros e, por isso, capazes de conferir forma urbana algumas particularidades.

Uma profuso de projetos, desenvolvidos e implementados de forma in- dependente por muitos agentes, pblicos e privados, interagindo entre si, produzem, a cada momento, uma forma urbana resultante, ou seja, no intencional na escala macro.

A fraca vinculao causal entre forma urbana e projeto na macroescala um dos principais indicadores de que a forma urbana um fenmeno de alguma complexidade e, consequentemente, o estudo da morfologia urbana no pode ser circunscrito por teorias norma- tivas relativas a um protocolo tico, esttico, tcnico ou a um sistema de ideias mais genrico , requerendo, em vez disso, um arcabouo formado por teorias constitutivas relativas explanao da realidade.

Est claro que, embora do urbanismo resultem formas urbanas, o processo de evoluo da forma urbana no subordinado a ele, ocorrendo o contrrio. Fica igualmente claro que projetos urbansticos, embora pro- duzam formas urbanas, no esto entre as aes mais respeitosas morfo- logia urbana incidentes sobre a cidade, pelo contrrio, visto que, na maio- ria das vezes, visam mudar seu curso, no raro usando buldozzers.

Assim sendo, o urbanismo no se qualifica automaticamente como uma discipli- na que, o demandando, conduz a um maior conhecimento da morfologia urbana. Dado que outras disciplinas, como foi demonstrado, tambm so paramorfolgicas, apenas um campo com especificidade suficiente pode- ria prover bases tericas, metodolgicas e instrumentais para um apro- priado estudo da forma urbana.

Alguns elementos dessa disciplina passa- ro a ser examinados nos captulos a seguir. Modelos projetuais para cidades so inmeros, muito mais numerosos do que teorias, devido ao fato de que teorias tendem generalizao, enquanto projetos tendem particularizao.

Ao buscarem traos comuns formao de muitas, seno de todas as cidades, as teorias so mais difceis de serem cons- trudas.

Alm disso, os mtodos usados pela cincia privilegiam uma certa concatenao entre diferentes teorias, seja por continuidade, seja por contra- posio, o que conduz a um certo compartilhamento de princpios e ncleos lgicos, os quais, pela contnua filtragem promovida pela busca de verificao, convergem para poucas alternativas tericas.

Projetos, ao contrrio, procuram a originalidade, e sua produo tende a gerar um conjunto sempre crescente de solues alternativas arbitrrias e nicas em certos aspectos. Projetos urbanos de morfologia fechada Projetos de morfologia fechada perseguem a iluso da forma urbana definitiva. Nessa situao, os elementos da forma urbana so tratados no como variveis, mas como constantes. Um quase corolrio dessa primei- ra viso o que prope uma noo geral de funcionalidade.

Forma fixa e funo definida interagem como princpios complementares que geram projetos urbanos de grande originalidade e, se implementados, cidades problemticas. Uma das principais caractersticas, exposta pela maioria das teorias que tentam explicar a cidade, justamente a sua contnua mu- dana, a sua condio de processo espacial.

A segunda seria a sua no to frequentemente abordada caracterstica de multipropsito, ou seja, de se constituir em um organismo no qual cada parte desempenha diversos pa- pis simultneos.

Essa caracterstica est, como pode ser facilmente infe-. Figura 8. O projeto original de Braslia, esquerda, e a sua real rea urbana de hoje.

Como pode ser visto, o alto grau de especificao formal do projeto original dificultou que dele se originassem indicaes claras de expanso e ocupao de reas contguas, resultando numa urbanizao fragmentada, descontnua e desigual, que contraria jus- tamente as premissas da proposta original. Um segundo, e ainda no aparente, problema o da renovao interna, tanto nos estoques edificados quanto nas atividades.

O desprezo, bem como a omisso no tratamento dessas caractersticas in- trnsecas da cidade, muito frequentemente verificados nos aqui chamados projetos de forma fechada, constituem sua maior falha. Projetos de forma fechada podem ser bons exemplos de dissociao entre teoria e ideologia urbanas. Enquanto teorias se propem a explicar a realidade urbana, projetos se propem a recri-la, melhor.

Ao tentar faz-lo, entretanto, muitos projetos costumam contrariar princpios fundamentais da formao das cidades e, com isso, recriam a realidade pior. Teorias e ide- ologias no so necessariamente opostas; somente se oporo, para prejuzo dos projetos e das situaes urbanas deles eventualmente decorrentes, quan- do e enquanto autores se acharem capazes de, sozinhos, mudar o mundo.

Projetos de morfologia aberta Os projetos de morfologia aberta, como o nome sugere, produzem proposies tais que, neles, as demandas por mudana e adaptao so pos- sibilidades reais. Em geral, essa qualidade obtida mediante o rebaixamento do nvel de especificao formal dos projetos, ou seja, menos particularida- de no produto supostamente final e mais investimento nas regras gerais de articulao da forma.

O grau de abertura desses projetos pode variar, desde uma simples regra de fracionamento do territrio, que geralmente no to simples assim, at articulaes mais elaboradas, envolvendo as formas cons- trudas e mesmo as localizaes de atividades, ou regras explcitas para ex- panso e renovao.

Independentemente do grau de elaborao, entretanto, esses projetos se parecem mais com cdigos de controle geomtrico da for- mao e desenvolvimento de uma cidade, do que qualquer particularizao formal semelhante aos projetos anteriormente comentados.

No incomum encontrar projetos que combinam as virtudes das duas abordagens, propondo regras gerais de expanso e de adaptao in- terna, prprias de uma forma aberta, com maior definio formal de seto- res da cidade, geralmente aqueles considerados mais significativos desde os pontos de vista simblico, ou estrutural. Sistema virio principal de Chicago, baseado numa grelha quadrada modular, isto , um conjunto de grelhas de malhas de diferentes tamanhos, coordenadas.

Esse sistema flexvel tanto na expanso quanto na partio interna, provendo uma regra slida de ocupao do territrio. Figura Cidade de Washington, cujo projeto especifica de forma detalhada a rea cvica e simblica, ao mesmo tempo que define regras gerais de ocupao do solo para o restante.

Tais regras orientam a expanso e permitem uma ocupao flexvel. Usualmente, a regra-me uma re- lao populao-rea, a densidade, que, controlada, permitiria dimensio- nar infraestruturas, servios e equipamentos.

A partir de uma densidade prefixada para uma frao de territrio se supe possvel reservar reas proporcionais para sistema virio e equipamentos pblicos como praas, parques, escolas, etc. O controle dessa densidade, entretanto, ainda no est garantido, uma vez que esse remanescente pode ser edifica- do de diferentes maneiras e, por conseguinte, abrigar quantidades diferen- tes de pessoas; assim, preciso ainda estimar o consumo de rea constru- da por habitante varivel segundo extratos socioeconmicos, e limitar a quantidade total de edificao residencial a ser construda.

Dessa forma, a partir da regra-me, se criam diversas outras regras concatenadas entre si, destinadas a regular a forma construda. Os sistemas desse tipo mais comuns incluem ndices de aproveitamento, taxas de ocupao, gabari- tos de altura e afastamentos, que limitam, respectivamente, a quantidade de edificao por unidade de rea de solo edificvel, a proporo de solo ocupvel com edificao, a altura mxima das edificaes e a posio das edificaes em relao ao espao pblico e lote.

Ainda haver regra para o parcelamento do solo, que estabelecer quantidades mnimas para reas de uso pblico, bem como dimenses das parcelas. Boa parte dos chamados Planos Diretores Urbanos usam essa siste- mtica, ou semelhante, para definir seus sistemas de controle de ocupao do solo. Pode-se ver que a sistemtica depende de alguns arbitramentos importantes, como a prpria densidade, que d incio a todo o procedi- mento, e ainda o consumo de rea construda por habitante.

A densidade, como j se viu, no uma varivel aleatria, muito pelo contrrio; assim, esse arbitramento depende da sensibilidade do operador, que depende, por sua vez, do conhecimento que tenha tanto da realidade emprica local, tratando-se de uma cidade existente, quanto das teorias de urbanizao produzidas pela cincia. Demonstrativo da deduo das regras de ocupao do solo a partir de uma densidade bruta arbitrada. Na coluna 1, trs densidades so arbitradas; na coluna 2, uma proporo da rea de um hectare reservada para uso pblico; a coluna 3 contm a rea edificvel remanescente, a coluna 4 reserva uma proporo dessa rea para uso residencial, a coluna 5 contm diferentes consumos de rea construda por habitante, conforme diferentes extratos socioeconmicos, que resultam em quantidades diferentes de reas construdas registradas na coluna 6.

Quando, em benefcio da busca de um caminho prprio para o es- tudo da morfologia urbana, os modelos socioespaciais so abandonados e apenas o casco da cidade permanece no foco, imediatamente problemas bsicos aparecem.

Em primeiro lugar, tem-se que, para um pesquisador, sequer esse casco pode ser observado na sua totalidade, j que, no interior da cidade, a viso sempre local, fragmentada e incompleta. Em segundo lugar, depara-se com a individualidade de cada bairro, de cada rua, de cada edificao, o que resulta em um universo enorme de elementos distintos.

Tudo isso contribui para reforar uma sensao de aleatoriedade, ou seja, de que a cidade resulta de aes individuais desconectadas, que involun- tariamente contribuem para a constituio de uma manufatura aleatria, sem lgica. Em terceiro lugar, depara-se com um conjunto de elementos constitutivos edificaes isoladas, grupos de edificaes, espaos abertos plenos de caractersticas que se desdobram indefinidamente em escalas aninhadas umas dentro das outras, cada qual com suas prprias variveis, variaes, o que confere ao todo uma diversidade aparentemente impos- svel de ser decifrada.

Em quarto lugar, depara-se com a convivncia de partes e de componentes adicionados ao todo, em diferentes momentos muitos deles distantes uns dos outros vrios sculos , misturados e com- binados das mais variadas maneiras. O caminho mais tradicional da cincia para o tratamento de proble- mas compostos envolve a reduo de sua complexidade, na maioria das vezes obtida mediante dois procedimentos: a diminuio do nmero de componentes e a diviso do todo em subconjuntos mais simples de serem descritos, analisados e entendidos.

A esse tipo de abordagem, os morflo- gos adicionaram dois elementos de orientao para os procedimentos que deveriam conduzir ao entendimento da forma urbana: os vetores espacial. Essas duas referncias deram origem aos dois principais ins- trumentos descritivos e analticos da morfologia urbana, a saber, a tipolo- gia e a morfogentica.

Tipologia, apesar de toda a mstica que, na arquitetura, acompanha o termo, um procedimento classificatrio relativamente simples que, como todos que tentam ordenar conjuntos extensos de objetos aparentemente dspares, tambm simplificatrio. Explicando melhor, a ideia consiste em reduzir um grande nmero de objetos em princpio nicos, em um me- nor nmero de classes ou categorias de objetos que compartilham de um mesmo grupo de caractersticas.

Para isso, necessrio, de um lado, eleger quais caractersticas so relevantes para cada caso e, de outro, descartar as caractersticas consideradas irrelevantes.

Por isso, o procedimento ao mesmo tempo classificatrio e simplificador; parte de um conjunto de mi- lhares de edificaes de uma cidade, cada uma original e individual, para chegar a um grupo de algumas dezenas de classes ou categorias de edi- ficaes, cada uma contendo ou representando um largo grupo daquelas edificaes individuais e originais que, no obstante, compartilham alguns atributos comuns, considerados mais importantes.

Em arquitetura, assim como em urbanismo, a classificao tipolgica d origem aos tipos, que so abstraes de edificaes, lugares, bairros, etc. Um tipo, as- sim, no existe concretamente; uma entidade virtual que representa um grupo de entidades concretas, as quais, apesar de outros muitos atributos, desconsiderados, que os diferenciam, possuem um mesmo grupo de atri- butos, considerados para a classificao, que os igualam.

To logo, entretanto, se descortinem os fundamentos do mtodo ti- polgico, depara-se com outro problema, que escolher quais atributos dos diferentes elementos da cidade so representativos de um grupo de elementos e, assim, merecem ser tomados como referncia para a classifi- cao.

Critrios nicos definem um processo classificatrio simples, mas, por outro lado, muito redutivo. Pode-se pensar em classificar as edifica- es de uma cidade pelo nmero de pavimentos, por exemplo, quando, ento, seria obtida uma reduo de, talvez, milhares de edificaes a pou- cas dezenas de tipos um, dois, Esses so trs exemplos reais de possveis classificaes tipolgicas aplicadas a edificaes urbanas; a es-.

Partindo de uma cidade de um mximo de dez pavimentos 10 tipos , telhados vermelhos e cinza 2 tipos e edificaes brancas, amarelas e azuis 3 tipos , ao tomar os trs critrios simultaneamente, resultariam 60 tipos possveis.

Arquitetos costumam classificar seus tipos edilcios segundo crit- rios arquitetnicos, tais como arranjos planimtricos plantas baixas , arranjos planialtimtricos articulao entre pavimentos , propores ex- ternas volumetria , posio no lote, e at base estilstica, para no men- cionar o uso ou propsito funcional dos prdios, que podem ser isolada ou conjuntamente utilizados para classificao tipolgica.