3deko.info

Olá, meu nome é Pablo e criei este blog para ajudar os estudantes portugueses a estudar. Carrego milhares de arquivos úteis toda semana

BAIXAR MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA


BAIXAR MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA - Marcos e Belutti — Dupla Solidao Rmvb Tamanho do Arquivo: Laluna e Vinícius Part. BAIXAR MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA - A dupla se caracteriza pela mistura do sertanejo com outros ritmos, principalmente o. BAIXAR MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA. Enquanto esperamos pelos próximos sons, zerl aqui com um pouco do trabalho dos dois.

Nome: musica alem da lenda cristiano araujo krafta
Formato:ZIP-Arquivar (MP3)
Sistemas operacionais: MacOS. Android. iOS. Windows XP/7/10.
Licença:Somente uso pessoal
Tamanho do arquivo:5.55 Megabytes

ALEM BAIXAR ARAUJO CRISTIANO MUSICA KRAFTA DA LENDA

Os componentes e elementos so justamente as diversas partes, peas e consoles que completam formalmente a edificao, como adies particulares dentro da configurao formal do volume como um todo. En: Verdad y mtodo. Entretanto, no caso em estudo, as sees indicam a presena de ambientes ocupados tanto por tuberculosos quanto por supostos sos, num mesmo bloco de circulao de ar, que neste sentido, pode favorecer a propagao da doena para os sos. CONCLUSO As obras exploradas neste artigo indicam que elas fazem parte de um conjunto que evidencia uma postura projetual claramente definida, e que apresenta novos motivos formais em relao produo anterior. En un sentido podramos decir que no lo es: algo que parece evidenciarsejustamente al observar la fecha en la que fue construida. Em meados dos anos , constatamos influncias da sensibilidade brutalista na arquitetura local. En su interior son claras y fras como la habitacin de una clnica, hacia el exterior causan la impresin de cajitas sobre barras mviles, y tambin de barcos. Ver bibliografa. Tutorial Deu certo comigo: Eu instalei o the sims 2 tempo livre eu tenho o the sims 2 original e todas as expanções exeto as coleçoes de objetos e vida de apartamento eu ja crakeei so q quando eu coloco pra entra aparece insira o cd original do tempo livre o q q eu faço?? Este breve comunicado aparece publicado en el suplemento que contiene adems, el Manifiesto del grupo, publicado por la revista Nuestra Arquitectura. Nelson Chaves, ao Exmo. A dupla se caracteriza pela mistura do sertanejo com outros ritmos, principalmente o country, graças a influências como Garth Brooks, um dos mais famosos cantores americanos de country, de quem Sorocaba é um admirador confesso. Porto Alegre: Ritter dos Reis, No entanto, em alguns casos, podemos observar que diversas solues utilizam artifcios para liberar a noo de ortogonalidade, normalmente atravs de salincias adicionais que se encaixam formando a edificao, em geral representada por setores da planta. Lejos de construir una unidad sinttica, ella est construida mediante la tcnica del montaje. Em nossa anlise procuramos ver o Brutalismo como uma nova sensibilidade comum a vrios arquitetos ao redor do mundo atuantes entre o ps-guerra e os anos , os quais procuraram voltar-se para o saber fazer de suas regies, estabelecendo uma maior relao com a cultura local, como forma de se distanciarem do internacionalismo do Movimento Moderno CURTIS, Bullrich, Francisco. Por primera vez en el pas, el frente de un edificio se present - al menos en teoracomo un mero diafragma tcnico sin autonoma compositiva ni conceptual. No entanto, observamos claramente que a arquitetura que guarda maiores semelhanas com a arquitetura local , definitivamente, a europeia, principalmente as obras do perodo tardio de Le Corbusier; a arquitetura de tijolo e de cintas de concreto de Stirling, e os detalhes escandinavos.

BAIXAR MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA - A dupla se caracteriza pela mistura do sertanejo com outros ritmos, principalmente o. BAIXAR MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA. Enquanto esperamos pelos próximos sons, zerl aqui com um pouco do trabalho dos dois. MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA BAIXAR - Vontade de Te Ver Download Megaupload - EasyShare. Eu Amo te A Rodrigo Guidini. MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA BAIXAR - A casa caiu Ah, que Deus é Esse! Download - Lançamentos Sertanejo da Semana Vol. BAIXAR MUSICA ALEM DA LENDA CRISTIANO ARAUJO KRAFTA - O Nosso Amor é Ouro. Download Megaupload - EasyShare. Download - Lançamentos.

Ingressou e passou a dedicar-se de corpo e alma à Escola do Bairro de Noel em e a história mussica Unidos de Vila Isabel se confunde com a de Martinho que passou a seu chamado de o Da Vila. Este site usa cookies.

MUSICA DA CRISTIANO LENDA ARAUJO KRAFTA ALEM BAIXAR

Cristiano araujo voce mudou palco mp3, Cristiano araujo voce mudou arajuo, ouvir musica Cristiano araujo Baixar: Você pode iniciar raaujo pesquisa no YouTube diretamente do campo de pesquisa do Firefox. Agora, armado com novos itens, oito novas armas e todo o conhecimento adquirido, Mega vai ao castelo de Wily.

Outra novidade do Chrome 69 é o suporte para notch, o famoso entalhe que se tornou popular no iPhone X e passou a mussica em uma série de dispositivos com Android. Ferias frustradas dublado baixar playback Baixar funk julho sertanejo mais tocados Baixar programa wifi no pc Baixar vaqueiro vaidoso arreio de ouro Baixar ilands no baixaki minecraft original pelo Mc luan casinha das clientes baixar Baixar admit card download aiims jodhpur Baixar popotao grandao podag A turma do seu arauji baixar google play Baixar hip hop mp3 song Circuito musical baixar google drive Baixar cd love songs anos 80 e 90 Baixar filmes a fraude dublado completo gratis hd Baixar jogo do youtube gratis online Baixar mudança de habito 2 dublado rmvb Baixar sbtvd para android Baixar musicas dimitri vegas like mike Baixar temas para google chrome memes Baixar plugins cs 1.

Noite Fracassada baixar; V se cuida mais de ns da msica sertaneja. Pouco antes do acidente, Cristiano musiac Algumas canes gravadas e voc pode 4shared msica download. Proa, Fundacin. El Universo Futurista Catlogo de la exposicin. Buenos Aires, Abril - Julio Gutman, Margarita y Hardoy, Jorge Enrique. Buenos Aires - Historia Urbana del rea Metropolitana. Ediciones Infinito, Buenos Aires. Gutman, Margarita. Buenos Aires, el poder de la anticipacin.

Infinito, Buenos Aires Iglesia, Rafael y Sabugo, Mario. La Ciudad y sus Sitios. Editorial Nobuko, Buenos Aires Joly, Martine.

LENDA ALEM BAIXAR MUSICA ARAUJO KRAFTA CRISTIANO DA

Introduccin al anlisis de la imagen. Coleccin Biblioteca de la mirada. La Marca Editora. Buenos Aires, 2a edicin en espaol Liernur, Jorge Francisco y Pschepiurca, Pablo.

La red Austral. Coleccin las ciudades y las ideas, Universidad Nacional de Quilmes. Prometeo libros Liernur, Jorge Francisco. Historia de la Arquitectura en la Argentina del siglo XX. Fondo Nacional de las Artes. Ortiz, Federico y Baldellou, Miguel ngel. La Obra de Antonio Bonet.

Ediciones Summa, Buenos Aires Rapoport, Mario y Seoane, Mara. Editorial Planeta, Buenos Aires Revista: Nuestra Arquitectura. Arquitetura Antituberculose: um estudo analtico da tipologia dispensarial brasileira no combate peste branca 1 Anti-tuberculosis Architecture: an analytical study of the Brazilian dispensary building typology Carolina Da Fonseca Lima Brasileiro Luiz Manuel Do Eirado Amorim. Resumo O artigo trata do desenvolvimento da chamada arquitetura antituberculose composta por sanatrios e dispensrios desenvolvidos em todo o mundo, principalmente no final do sculo XIX e primeira metade do sculo XX, perodo que a doena atingia altos ndices de morbidade e mortalidade, at a sua cura ser conhecida.

Os dispensrios brasileiros, construdos pelo Servio Nacional da Tuberculose SNT , a partir da dcada de , foram tomados como objeto de estudo, para entendimento de como as recomendaes da profilaxia mdica, se expressaram na arquitetura.

Para tal, foram analisadas as recomendaes publicadas pela Oficina Sanitria PanAmericana, que relacionadas s solues arquitetnicas desenvolvidas, estabeleceram um entendimento de como estas exigncias foram expressas na tipologia dispensarial brasileira.

Palavras-chave: tuberculose; dispensrio; profilaxia. Abstract This paper discusses anti-tuberculosis architecture in Brazil. This type of architecture includes sanatrios sanatariums and dispensrios dispensaries: clinics for the poor. They were developed all over the world, mainly by the end of the 19th Century and in the first half of the 20th Century. That was the period when the disease reached high level indicators of morbidity and mortality until its cure became known.

Studies were conducted to help understanding how medical preventive recommendations were expressed in architecture. They were related to the architecture developed at that time and set on an understanding of how the medical demands were expressed in the Brazilian dispensary building typology.

Key-words: tuberculosis, dispensary, Prophylaxis. Arquitetura Antituberculose: um estudo analtico da tipologia dispensarial brasileira no combate peste branca A tuberculose,2 conhecida como peste branca e mal do peito, foi responsvel pela morte ou invalidez de contingentes populacionais em todos os continentes.

Sua disseminao e efeito devastador foram acentuados com o processo acelerado de urbanizao, particularmente das cidades europeias e norteamericanas, entre os sculos XIX e XX. Segundo Bittencourt A tuberculose se propagou medida que se acentuavam as pssimas condies de moradia, higiene e trabalho nas cidades, passando a ser encarada como um mal social.

O controle da tuberculose, entretanto, s foi possvel com a identificao, em , do seu agente etiolgico o Bacilo de Koch , alterando o diagnstico mdico consagrado de origem hereditria para o de uma doena infecciosa crnica, causada pelo contgio direto ou indireto, proveniente de um doente eliminador de bacilos BARBOSA, Dois tipos de estabelecimento assistencial foram criados para atender s exigncias especficas do tratamento da tuberculose: o dispensrio e o sanatrio.

O primeiro abrigava aes de identificao de focos de contgio, difuso de noes de higiene e prestao de assistncia mdica e social aos doentes registrados. O segundo estava voltado ao isolamento nosocomial e tratamento continuado. A Oficina Sanitria Pan-Americana, criada em , pela OPAS foi o agente responsvel pela divulgao dos preceitos mdicos e das recomendaes profilticas definidos como referenciais para a construo dos estabelecimentos de sade, em particular dos dispensrios nos pases da Amrica.

Como ser visto adiante, tais preceitos e recomendaes oriundos das cincias mdicas constituram princpios estruturadores do programa arquitetnico de necessidades, em particular no que se refere sua organizao espacial. Algumas das recomendaes, como o controle de acesso e a rigorosa classificao de distintas categorias sociais em um sistema hierrquico objetivando o isolamento de pacientes e sos , resultam em organizaes espaciais particulares. Markus e Cameron sugerem que os edifcios so produtos de uma srie de restries denominadas de texto fruto das demandas e das expectativas de determinados grupos sociais.

Essas prescries estabelecem em que condies distintas categorias de usurios devem interagir; por exemplo, como se d a interface entre o corpo mdico e os pacientes, ou entre os pacientes e os pretensos sos. A tuberculose uma doena que se manifesta pela formao de tubrculos em diversos rgos e apresenta-se sob vrias formas: tuberculose ssea, na cspide de um dente e na ligao entre osso e o tendo; tuberculose lupo-cutnea, em forma de verrugas na pele; tuberculose de Farre, com formao de cpsulas hepticas e quase sempre com a presena de carcinoma hepatocelular; meningite tuberculosa, mediante o endurecimento e a inflamao das meninges; e a mais conhecida, a tuberculose pulmonar, que causa o enrijecimento e a inflamao da pleura, com acmulo de lquido pleural, dificultando a respirao, causando dores, cansao, febre, tosse, inapetncia e alterao diurna das curvas de temperatura FERREIRA, , p.

Em outras palavras, cabe analisar em que medida o conhecimento do campo das cincias mdicas, entendido como recomendao para a elaborao de projetos de dispensrios, est efetivamente impregnado na organizao espacial das edificaes projetadas e construdas no conjunto de aes do Servio Nacional da Tuberculose SNT. Da epidemiologia profilaxia da tuberculose A tuberculose ocupou lugar de destaque no quadro epidemiolgico da humanidade.

De acordo com Bittencourt , p. Algumas registram sua presena em perodo anterior Era Crist. Seus efeitos s comearam a ser minimizados com a descoberta do seu agente etiolgico, em , o que contribuiu para o desenvolvimento da moderna profilaxia da tuberculose, de ampla divulgao na primeira metade do sculo XX.

Nesse contexto, diversos pases passaram a assumir polticas prprias para a profilaxia da tuberculose, motivados tanto por iniciativas privadas quanto governamentais. Na Amrica Latina, por exemplo, foi constituda, em , uma Comisso Internacional Permanente para a Profilaxia da Tuberculose que previa um trabalho interno de intensas campanhas em cada pas, por meio de ligas nacionais autnomas, que passaram a ser conhecidas como Ligas contra a Tuberculose, de grande atuao no combate peste branca BARBOSA, A preveno da tuberculose passou a ser encarada como atividade primria na campanha contra o referido mal e foi amplamente difundida atravs da higiene social BURNET, Sua preveno era fundamentada em trs pilares principais: a habitao, a nutrio e a educao.

De acordo com Burnet , p. Portanto, os projetos de urbanizao e de habitao deveriam atender aos requisitos da profilaxia antituberculosa, cujas medidas higinicas para as habitaes incluam obrigatoriamente a presena de gua corrente, esgoto, ar e luz. O quesito nutrio tambm era imprescindvel, visto que, segundo Burnet , p.

Dessa forma, as aes voltavam-se, especialmente, para um reforo nas refeies escolares, no sentido de prover as crianas de uma dieta equilibrada, como uma estratgia preventiva.

MUSICA UM BOM MALANDRO KRAFTA BAIXAR

J a educao inclua noes gerais de higiene e instrues especiais para a preveno da tuberculose. As recomendaes eram difundidas, principalmente, pelas Ligas contra a Tuberculose, em cartazes, conferncias e publicaes. Complementarmente a estas medidas de preveno, consideradas aes de profilaxia indireta, porque visavam s causas indiretas, secundrias e adjuvantes da tuberculose, aquelas que apenas favorecem o contgio e os seus efeitos, foram difundidas aes para a profilaxia direta, ou antibacilar, da doena BARBOSA, Segundo Placido Barbosa A profilaxia direta da tuberculose pautava-se nas formas de transmisso da doena, ou seja, na noo de contgio da tsica atravs da saliva, das expectoraes dos pulmes ou pelo pus dos tuberculosos sseos, e levou ao isolamento do doente e desinfeco de todos os vetores da doena, desde os objetos pessoais at.

Placido Barbosa enuncia as principais aes para a profilaxia direta da tuberculose: O principio essencial de toda prophylaxia, na phrase de Lon Bernard, evitar o contagio; seu elemento mais importante de acco o dispensario, instrumento de diagnostico, de educao hygienica, de tratamento, de assistencia, de fortalecimento do terreno, de isolamento domiciliar, de preservao infantil.

Os outros meios de acco da prophylaxia directa so: a notificaco, as enfermeiras visitadoras, a colheita e rejeico hygienica dos escarros, a legislao contra o escarro, a educao e a propaganda hygienica, o isolamento, a desinfeco BARBOSA, Placido Barbosa refere-se ao isolamento como uma medida de profilaxia direta e o diagnstico como uma medida de tratamento assistencial.

Os equipamentos assistenciais de sade dispensariais e sanatoriais atendem s duas aes profilticas. Os sanatrios foram concebidos motivados pelo medo de contgio da doena, o que levou segregao dos tuberculosos nestas unidades de tratamento especializado. Bittencourt J os dispensrios apresentavam um programa mais simples do que o dos sanatrios, mas de grande importncia profiltica.

De acordo com Burnet As suas atribuies incluam a educao da populao sobre a doena por meio da difuso de noes de higiene, formas de contgio e preveno, descoberta de novos casos e assistncia mdica aos doentes, principalmente os menos favorecidos. Dessa forma, essas unidades apresentavam-se como uma opo menos onerosa, j que no havia internao dos pacientes, apenas o acompanhamento do tratamento. Esse modelo foi bastante difundido aps a descoberta das drogas antimicrobianas especficas contra a tuberculose, principalmente a estreptomicina, na dcada de , que permitiu o desenvolvimento de um esquema teraputico em massa, evitando a necessidade de internao dos doentes.

Assim, o dispensrio passou a assumir o papel de destaque no combate tuberculose, sendo construdas vrias unidades tanto no mbito nacional quanto no internacional.

O dispensrio como instrumento profiltico da tuberculose: as recomendaes da Oficina Sanitria Pan-Americana para a sua construo Os dispensrios de tuberculose foram concebidos segundo recomendaes propostas pela profilaxia mdica, que eram, em certa medida, traduzidas em obra construda. Essas recomendaes foram divulgadas por meio de estudos cientficos, diretrizes internacionais e polticas nacionais, que norteavam a escolha de parmetros para construo desses equipamentos.

LARD, indicavam os parmetros que deveriam ser aplicados para a construo de dispensrios antituberculose. O principal requisito para a localizao dos dispensrios, depois de identificada a regio carente do servio, era a facilidade de acesso por doentes.

O rudo tambm deveria ser levado em considerao, para no perturbar o mdico examinador. Para a escolha do terreno e a implantao da edificao, dois fatores apresentaram relevante importncia: ventilao e iluminao, medidas higinicas imprescindveis para a profilaxia da doena.

No que concerne disposio interna dos dispensrios, a principal recomendao referia-se ao risco de contgio da doena pelos tuberculosos que recebiam assistncia e tratamento no estabelecimento. Para tal, era recomendado o isolamento dos casos abertos, como apontado por Goldberg O arranjo interior de um dispensrio para tuberculosos deve observar os primeiros princpios da profilaxia, em particular com respeito ao resguardo da criana e ao isolamento dos casos abertos, o mximo possvel GOLDBERG, O programa de necessidades para a construo dos dispensrios inclua: sala ou corredor de entrada; sala de espera; um ou mais vestirios e quartos para casos abertos femininos e masculinos; uma ou mais salas para exames; uma sala de espera para crianas; consultrio para dentistas; departamento de Raio X; e quarto para aplicao do pneumatrax3 GOLDBERG, Era recomendada a iluminao e a ventilao para a sala de espera e o mximo isolamento e segregao para os casos abertos, que deveriam permanecer o menor tempo possvel no dispensrio, evitando o contgio para os supostos sos.

O funcionamento dessa estrutura para exame dos enfermos foi descrita por Lard J com estes dados, o enfermo passa para a sala de clnica, onde se investigam e anotam seus antecedentes de doenas e hereditrios, o que ele est sentindo, se esteve em contato com algum tuberculoso ou se h algum na sua famlia.

Depois o paciente examinado clinicamente, com ateno especial para o sistema respiratrio. Qualquer que seja o resultado deste exame, ainda que resulte negativa a tuberculose, o doente encaminhado para o gabinete de Raio X LARD, Vistas as especificidades expostas nos documentos da Oficina Pan-Americana de Sade, ficam evidentes os requisitos mais importantes para o funcionamento de um dispensrio luz, ar e isolamento dos doentes compatveis com as polticas da moderna profilaxia antituberculose.

O pneumatrax artificial era uma tcnica cirrgica coadjuvante do tratamento da tuberculose, que consistia em injeo de ar ou substncias inertes na cavidade pleural, para pressionar o pulmo afetado e diminuir sua movimentao.

HUMAN (TRADUÇÃO) – Rag’n’Bone Man –

Acreditava-se que o repouso mecnico induzido e a consequente reduo da atividade pulmonar poderiam propiciar a morte do bacilo, favorecendo a cura ANTUNES et al, Na verdade, at o final da primeira Repblica , no havia uma poltica oficial para o controle da molstia. Foi atravs dessas Ligas, constitudas em cada estado, que surgiram os primeiros dispensrios para profilaxia da tuberculose no Brasil.

Essas unidades eram construdas com poucos recursos e apresentavam programa bastante simplificado. As figuras 1 e 2 mostram os dispensrios construdos pela Liga Pernambucana contra a tuberculose nesse perodo. A tipologia dispensarial brasileira do Servio Nacional de Tuberculose SNT somente a partir do governo de Getlio Vargas, na dcada de , que a luta contra a tuberculose intensificada no Brasil.

Em , foi criado o Servio Nacional de Tuberculose SNT com o propsito de ser um rgo de carter temporrio at que se controlasse a doena nacionalmente. COSTA, Baseado nesta premissa, o nmero de dispensrios cresceu significativamente no pas, principalmente a partir da dcada de , e estudos foram realizados para prover maior racionalidade e funcionalidade para equipamentos dispensariais, aos menores custo e tempo possveis.

Foram criados modelos para a construo em massa, reproduzidos em diversos estados do pas, com apenas pequenas adaptaes para atender s especificidades locais Figs. A autora ainda ressalta que estes projetos passavam por reformulaes at que se chegasse planta ideal e adequada a cada situao, j que foram concebidos para serem construdos em diversas regies do Brasil. Fonte: Pernambuco, Nesses casos, visvel a aplicao de preceitos construtivos e compositivos simples e econmicos, aos moldes dos ideais modernistas, adequados poltica de profilaxia da tuberculose, desejosa de equipamentos pouco onerosos e de rpida execuo, embora eficientes.

Fonte: Bittencourt, , p. Os dispensrios Tipo I e II distribuem-se em um nico pavimento, de aproximados m e m de rea til, respectivamente. Os trs exemplares atendem, contudo, mesmo que com algumas variaes, ao programa comum exposto no organograma proposto pela Comisso Tcnica da Campanha Nacional Contra a Tuberculose e composto por trs sees principais:.

Como a Comisso previa a integrao do dispensrio a uma unidade sanitria distrital Centro de Sade , os outros servios Administrao, enfermagem Visitao Domiciliria , Laboratrio e Servio Social seriam integrantes do Centro de Sade, tendo sua participao no dispensrio regulada pelo interesse recproco.

Os dispensrios que funcionassem como rgos isolados deveriam manter a estrutura completa ver figura 7. Os trs casos em estudo apresentam o programa completo proposto pelo organograma, composto pelos seguintes ambientes: a halls de espera para doentes e suspeitos, e para os supostos sos; b consultrios e sanitrios tambm distintos por categorias; c salas para procedimentos realizados nos supostos sos BCG, tuberculina e abreugrafia, com vestirios para cada sexo; d salas para procedimentos realizados nos doentes coleta, pneumatrax, Raio X e injees; e salas restritas ao corpo mdico e administrativo arquivo, secretaria, laboratrio, sala e vestirio dos mdicos, visitadoras e enfermeira chefe; f cantina e triagem.

Algumas variaes programticas so notveis, em decorrncia, inclusive, da diferena de rea das propostas. O dispensrio Tipo I distingue-se programaticamente pela introduo de sala para repouso dos doentes, otorrino e almoxarifado, alm de oferecer um maior nmero de salas para cada atividade a ser desenvolvida e espaos mais amplos, com destaque para o hall de espera dos doentes e supostos sos, cuja proporo corresponde a cerca de dez vezes a espera do Tipo II e tambm supera as dimenses do Tipo III.

J o dispensrio Tipo III, apresenta-se, no trreo, quase como uma reproduo do dispensrio Tipo II, mas agrega um pavimento superior composto exclusivamente por ambientes restritos ao corpo mdico e administrativo. Esse novo pavimento distingue-se programaticamente das duas outras propostas ao incluir sala para diretor, assistente e enfermeira chefe, biblioteca e espao para reunies, alm de um laboratrio diretamente interligado sala de coleta por um montacargas.

Essa ligao dos ambientes para passagem de resultados de exames ainda observada entre os cmodos de abreugrafia e enfermeira chefe e cmara escura e raio X. Nos dois primeiros casos, ainda importante ressaltar a necessidade de insero de um sistema zenital para captao de ar e luz, j que nem todos os ambientes das unidades eram adjacentes s paredes exteriores.

Da anlise da estrutura espacial O acesso aos equipamentos de sade j expressa a preocupao de estabelecer distines categricas na distribuio do movimento de usurios antes mesmo de entrar na edificao. Esse requisito atende ao princpio de isolamento entre doentes e pretensos sos portanto classificao baseada no diagnstico mdico, e na separao entre mdicos e demais usurios classificao baseada na hierarquia institucional.

Para todos os casos, entretanto, so estabelecidos distintos acessos para doentes, supostos sos, e corpo mdico e administrativo ver Fig. Quanto aos fluxos de usurios no interior dos dispensrios, a soluo espacial apresentada no Tipo I permite um acesso imediato dos pacientes s unidades de atendimento aps passagem pela triagem , a partir dos halls de espera.

A circulao do corpo mdico e administrativo distribuda em corredores restritos a estas categorias, que garantem o acesso a todos os espaos da edificao. Esta soluo garante o deslocamento dos responsveis pela instituio de sade sem que sejam interrompidos ou interpelados por aqueles que visitam o estabelecimento mdico.

Nesse caso, os espaos destinados ao atendimento dos pacientes so mediados pela circulao, isolando-os, portanto, do ambiente de espera. No seu interior, a diferenciao categrica tambm se faz presente e pode ser descrita e representada com base nos rtulos indicativos das atividades desenvolvidas em cada ambiente e nas categorias de usurios responsveis pelas referidas atividades.

MUSICA UM BOM MALANDRO KRAFTA BAIXAR

Dessa forma, os setores identificados foram: o setor de administrao e mdicos, destinado a atividades desenvolvidas exclusivamente por funcionrios, o setor destinado ao atendimento dos pacientes, subdividido em setor dos doentes e suspeitos, setor dos supostos so, e reas de circulao. Nos trs casos, entretanto, o setor mdico-administrativo disposto entre os setores destinados s duas categorias de pacientes, distinguindo-se apenas no dispensrio tipo III, por tambm ocupar um pavimento superior.

As reas destinadas circulao funcionam como mediao de setores distintos, com exceo de um corredor de circulao inserido no setor dos doentes e suspeitos dos dispensrios do tipo II e III, como discutido anteriormente; e dos espaos de circulao do primeiro pavimento do dispensrio Tipo III, totalmente ocupado pelo setor mdicoadministrativo.

O padro de acessibilidade, estabelecido pela permeabilidade entre espaos adjacentes, oferece importante retrato do instrumento edilcio. A noo de profundidade, que tomada no sentido topolgico, ou seja, a profundidade dada pelo nmero de espaos que se intervm na passagem de um a outro, revela em que medida certas atividades e categorias de usurios esto prximas ou afastadas, ou se o acesso direto do exterior facilitado ou dificultado.

O grafo pode ser ento justificado a partir de qualquer um dos seus espaos, permitindo anlises especficas do sistema Figs. As figuras 10, 11 e 12 mostram os grafos de acessibilidade relativos aos dispensrios em estudo, justificados a partir do acesso exterior, sendo possvel observar como se d o acesso aos seus diversos setores.

Os sistemas so relativamente rasos, com profundidade cinco para os dispensrios Tipo I e II, ou seja, necessrio transpor cinco nveis para atingir o espao mais profundo e sete para o dispensrio Tipo III. Essa variao de profundidade no dispensrio tipo III decorre da colocao de um pavimento superior. Mais significativo notar o grande nmero de rotas alternativas de movimento, observvel pelos anis formados pelas conexes entre espaos, possibilitando que os mdicos e corpo administrativo possam transitar com facilidade no interior dos dispensrios.

Do texto cientfico para o edifcio Os dispensrios-tipo desenvolvidos pelo escritrio de arquitetura do Servio Nacional da Tuberculose SNT apresentam uma oportunidade para o entendimento da relao entre as polticas de profilaxia da doena, neste caso as recomendaes divulgadas pela Oficina Sanitria Pan-Americana, e as concepes arquitetnicas.

As instrues mdicas voltadas tipologia dispensarial destacaram alguns fatores, discutidos a seguir. O primeiro fator exposto nas recomendaes referia-se s medidas higinicas imprescindveis para a profilaxia da doena, notadamente a presena de ar e luz.

As sees dos dispensrios tipo I e II apontam para a inteno de atendimento a essa preocupao, atravs da insero de um sistema zenital de ventilao e iluminao Fig. Entretanto, no caso em estudo, as sees indicam a presena de ambientes ocupados tanto por tuberculosos quanto por supostos sos, num mesmo bloco de circulao de ar, que neste sentido, pode favorecer a propagao da doena para os sos. Os registros grficos, contudo, no deixam claro se as paredes que dividem os setores atingem a laje superior, como forma de resoluo deste problema.

Fotos: Carolina Brasileiro, Do ponto de vista da composio de ambientes e das atividades demandadas, os dispensrios atendem em grande parte ao exigido nos documentos da Oficina Sanitria PanAmericana. No so identificados nos rtulos, entretanto, espaos prprios para as crianas e consultrio para dentista.

Os dispensrios brasileiros, contudo, com exceo dessas duas especificaes, apresentam um programa ainda mais completo do que o mnimo exigido, dispondo de otorrinolaringologista, assistente social, consultrios para BCG e biblioteca. O ltimo fator a ser analisado e de maior nfase neste estudo, concerne s recomendaes realizadas para isolamento dos doentes os chamados casos abertos , para que no tivessem contato com os supostos sos, evitando o contgio da tuberculose.

Este requisito estabeleceu, portanto, uma distino categrica, de forte repercusso nas propostas analisadas. A anlise setorial evidenciou a separao dos pacientes em ambientes especficos para cada categoria doentes e supostos sos. Essa separao pode ainda ser ressaltada pelos fluxos distintos de circulao desde o acesso ao edifcio, e que no se cruzam, evitando um contato indesejado.

O corpo mdico e administrativo, por sua vez, navega livremente por todos os espaos, a fim de prestar atendimento aos dois setores. Essa preocupao ainda evidenciada na anlise de profundidade dos grafos, que confirma um sistema raso para as trs situaes em concordncia com a recomendao estabelecida de necessidade de um atendimento rpido, para que os pacientes permanecessem o menor tempo possvel no dispensrio. Nesse sentido, nas trs situaes em estudo, o paciente ingressava no edifcio atravs do hall preestabelecido para a sua categoria, apresentava-se na triagem, localizada em posio adjacente aos halls e mediadora dos dois setores, e com mais um ou dois passos, tomados no sentido topolgico, era direcionado sala de exame.

Os trs dispensrios-tipo desenvolvidos pelo escritrio de arquitetura do Servio Nacional da Tuberculose SNT so simples demonstraes de como o conhecimento mdico constri, textualmente, a arquitetura necessria para atuar como instrumento profiltico para a erradicao da tuberculose no Brasil. Atendendo ao mesmo texto, os dispensrios Tipo I, II e III buscam ordenar o espao em escalas diversas, o desejo de evitar o contgio da tuberculose por meio dos doentes frequentadores do dispensrio para os supostos sos.

Em certa medida, apresentaram-se como instrumentos profilticos no combate doena. A constatao no se deve apenas em decorrncia das aes que eram desenvolvidas nesses equipamentos, mas tambm pelos artifcios utilizados para o controle da molstia na prpria edificao, que foram expressos nas bases de sua concepo arquitetnica.

A tuberculose atravs dos sculos: cones cannicos e signos do combate enfermidade. Acesso em: 4 jul. Contagio e prophylaxia da tuberculose. Boletn de la Oficina Sanitaria Panamericana. Organizacin Panamericana de la Salud, Liga Pernambucana Contra a Tuberculose.

Pesquisa Escolar On-line. Fundao Joaquim Nabuco: Recife, Acesso em: 15 jul. Peste Branca arquitetura branca: os sanatrios de tuberculose no Brasil na primeira metade do sculo Dissertao de Mestrado. Principios de la profilaxia antituberculosa. Rio de Janeiro: Servio Nacional de Tuberculose, Biblioteca Virtual em sade.

O sanatrio de Curicica: Uma obra pouco conhecida de Srgio Bernardes. In: Vitruvius Arquitextos, So Paulo, Disponvel em: www. Acesso em: 26 Jul. El dispensario: caractersticas fsicas. The social logic of space.

Cambridge: Cambridge University Press, LARD, Carlos. Funcionamento de um dispensrio anti-tuberculoso. London: Routledge, Saude e Assistencia: doutrinas, experiencias e realisaes Recife, Secretaria de Sade e Assistncia Social. Nelson Chaves, ao Exmo. Governador Barbosa Lima Sobrinho, relativamente ao exerccio de e s inauguraes feitas at Junho de Recife: Imprensa Oficial, Novas sensibilidades construtivas na arquitetura pernambucana, New sensibilities in construction : The architecture of pernambuco, Aristteles Siqueira Campos Cantalice II Fernando Diniz Moreira.

Cantalice II. Resumo As dcadas do ps-guerra na cena internacional foram marcadas por uma nova sensibilidade arquitetnica que advogava a exposio direta dos materiais e dos elementos tectnicos, o resgate de materiais tradicionais, a preferncia por jogos de volumes mais dinmicos e o uso extensivo do concreto.

Essa postura, comumente chamada de Brutalismo, procurava sinalizar uma alternativa a um suposto modernismo universal, buscando uma maior relao com o lugar, sua histria e seus saberes construtivos. O trabalho procura demonstrar como ocorreu o dialogo formal dessa sensibilidade construtiva com a arquitetura produzida em Pernambuco entre A partir de meados da dcada de , os arquitetos locais passaram a utilizar aspectos dessa sensibilidade construtiva, em dilogo tanto com a arquitetura internacional como com a paulista, sem descartarem as heranas modernas locais desenvolvidas particularmente por Delfim Amorim e por Accio Borsoi, arquitetos que desde a dcada anterior tinham estabelecido as bases da arquitetura moderna local.

O artigo analisa essa produo arquitetnica com enfoque nas relaes de forma e volume por meio de trs eixos principais: o uso de materiais aparentes, particularmente o tijolo e o concreto; as reentrncias, salincias e destaques volumtricos, e a explorao dos elementos construtivos e estruturais. Alm da historiografia sobre o perodo indicado, para embasar nossa anlise foram utilizados escritos de tericos contemporneos, como Kenneth Frampton e Gevork Hartoonian.

Palavras-chave: arquitetura brutalista; arquitetura do ps-guerra; arquitetura de Pernambuco. Abstract The post-war decades were characterized by a new architectural sensibility in the international scene. This sensibility favoured direct exposure of construction material and structural elements, the recovery of traditional construction material, the preference for a more dynamic play of volumes and wide use of concrete.

This attitude, usually called Brutalism, tried to show an alternative to a supposedly universal modernism and looked for a closer relationship with the place, considering its history and its construction know-how. This paper tries to show how a formal dialogue between this constructive sensibility and the architecture produced in Pernambuco took place.

From the mid-sixties on, local architects started using some aspects of this constructive sensibility on an exchange with the international architecture as well as with the architecture of So Paulo; however the local modern heritage especially the work developed by Delfim Amorim and Acacio Borsoi - was not forsaken. These architects had established the line of local modern architecture in the previous decade The paper analyzes this architectural production with special concentration on the relationships between shape and volume.

That is done by establishing three main axes: a the use of exposed construction materials especially brick and concrete; b recessed and detached details and other special volumetric details; and c inspection of constructive and structural elements. Together with the historiography of the mentioned time, contemporary theoretical works written by Kenneth Frampton and Gevork Hartoonian were used in the analysis Key-words: brutalism in architecture, post-war architecture, Pernambuco architecture.

Novas sensibilidades construtivas na arquitetura pernambucana, Este artigo analisa a produo arquitetnica em Pernambuco entre e , com enfoque apenas nas relaes de forma e volume, por meio de trs eixos principais: o uso de materiais aparentes, particularmente o tijolo e o concreto; as reentrncias, as salincias e os destaques volumtricos; e a explorao dos elementos construtivos e estruturais.

cadernosproarq16.pdf

No estudo dessas obras, constata-se que os aspectos construtivos foram bastante enfatizados. O Brutalismo foi uma tendncia arquitetnica que se desenvolveu entre as dcadas de e , que se expressou a partir de exposio dos materiais, do resgate dos materiais tradicionais e da adoo de jogos mais expressivos de volumes. H uma preferncia pelo uso extensivo do concreto aparente moldado em frmas texturizadas. Em nossa anlise procuramos ver o Brutalismo como uma nova sensibilidade comum a vrios arquitetos ao redor do mundo atuantes entre o ps-guerra e os anos , os quais procuraram voltar-se para o saber fazer de suas regies, estabelecendo uma maior relao com a cultura local, como forma de se distanciarem do internacionalismo do Movimento Moderno CURTIS, No Brasil, a partir dos anos , os arquitetos paulistas destacaram-se com obras que demonstraram essa nova sensibilidade.

A Escola Paulista procurou reformular a maneira de projetar a casa paulistana mediante uma nova diviso espacial interna, com nfase nos espaos sociais em detrimento dos ntimos, explorao dos elementos estruturais, dos materiais expostos e com o uso extensivo do concreto aparente SANVITTO, ; ZEIN, Esses arquitetos, nitidamente influenciados pela arquitetura da escola carioca, conseguiram consolidar uma arquitetura moderna bastante adaptada s condies locais, o que levou crticos e historiadores a se referirem a uma escola pernambucana AMORIM, Em meados dos anos , constatamos influncias da sensibilidade brutalista na arquitetura local.

Amorim e Borsoi passaram a utilizar esse novo cuidado construtivo, com o uso extensivo do concreto, do tijolo e de jogos volumtricos mais dinmicos, e foram seguidos por uma srie de discpulos provenientes da Faculdade de Arquitetura.

Diante desse enfoque adotado neste artigo, faz-se vlido considerar a tectnica, particularmente os escritos de tericos contemporneos, como Kenneth Frampton e Gevork Hartoonian, como um instrumento de anlise dessa arquitetura.

O termo grego tekton significa construtor ou carpinteiro3. A tectnica considera o saber fazer construtivo como um meio de expresso, uma forma de resgatar o artesanal, o qual 2.

Esse conceito foi lanado no artigo Rappel lordre, de Kenneth Frampton , posteriormente desenvolvido em seu livro Studies in Tectonic Culture de Os atributos arquitetnicos seriam apresentados de acordo com um retorno tradio simblica de construir. De acordo com Frampton, o Brutalismo uma retomada da cultura tectnica, pois a arquitetura brutalista demonstra um claro retorno expresso da estrutura e da construo4.

Gevork Hartoonian, em Ontology of Construction, explora o conceito de tectnica, apoiando-se em um paralelismo entre experincias estrutural e espacial. Ele elabora o conceito de Montage, que seria o processo de concepo que procura integrar os materiais e os detalhes para que a forma final no omita o fragmentado processo de justaposio dos fragmentos no ato de sua montagem, e sim que demonstre a inteno da construo, o simbolismo estrutural explorado na arquitectnica5.

Nesse processo, Embora Hartoonian analise obras do primeiro modernismo Loos, Wright e Mies , acreditamos que o processo de anlise da Montage tambm pode ser aplicado para uma melhor compreenso dessa arquitetura.

Seis meses umsica, no fim de Setembro e começo de Outubro, a turnê realmente aconteceu. Ser O Parecer Remix. Obrigado a todos os meus companheiros e obrigado a você, somtac, aproveitem a vida e saudações a todos que têm o disco nesse momento.

LENDA BAIXAR MUSICA ARAUJO DA KRAFTA CRISTIANO ALEM

Rapidshare Hecho En España: Gracias abuele rvd aquí, vives en mi, esto también es para ti. Rapidshare [Para baixar pelo 4Sharedclique em cima das faixas.

Tu Amor Chico Latino Remix. Ustedes son lo mas importante. Krwfta 15 agostoanunciaram através de um comunicado hayy imprensa que iriam se separar. Todos os direitos reservados. Também agradeço a minhas amigas por estarem sempre comigo. Gracias a Pedro, a krxfta familia y a la producción entera por hhay apoyo y el arduo trabajo que se ha hecho, porque si no fuera por ellos el trabajo de cada uno no sería una realidad. Rebels vendeu mais de 3,8 milhões de cópias pelo mundo.